União Europeia eleva lista de sanções contra a Venezuela

O Conselho da UE incluiu na lista das sanções pessoas "envolvidas em atos de tortura e outras violações graves dos direitos humanos"

Tentativa de Golpe na VenezuelaTentativa de Golpe na Venezuela - Foto: Yuri Cortez/ AFP

O Conselho Europeu da União Europeia (UE) anunciou hoje (27) que acrescentou à lista de sanções "sete membros das forças de segurança e dos serviços de informação da Venezuela". Para dar resposta à "emergência humanitária", a UE prevê a realização de uma conferência internacional em outubro.

As medidas restritivas, anunciadas em comunicado, "passam pela proibição de viajar e pelo congelamento dos bens". O Conselho da UE incluiu na lista das sanções pessoas "envolvidas em atos de tortura e outras violações graves dos direitos humanos", das quais quatro estão associadas à morte do capitão da marinha Rafael Acosta Arévalo.

Leia também:
Putin incentiva diálogo entre governo e oposição na Venezuela
Bolsonaro diz que deve parte de acordo entre Mercosul e União Europeia a Temer
Presidente de El Salvador faz selfie na ONU para denunciar 'formato obsoleto'

Esta decisão da União Europeia faz "subir para 25 o número total de pessoas objeto de sanções face à situação na Venezuela", e dá "prosseguimento direto à declaração emitida pela Alta Representante, em nome da UE", em julho.

Tortura
A Alta Representante da UE para a Política Externa, Frederica Mogherini, anunciou em julho, que os estados-membros estavam prontos para começar a trabalhar no sentido de aplicar medidas específicas aos membros das forças de segurança envolvidos em atos de tortura e outras violações graves dos Direitos Humanos na Venezuela.

O relatório da Comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, é confirmado nessa declaração e sublinha a "dimensão e a gravidade das violações dos direitos humanos, a erosão do estado de direito e o desmantelamento das instituições democráticas na Venezuela" e ainda a "trágica morte do capitão Acosta Arévalo", que se encontrava sob custódia pelas forças de segurança venezuelanas.

"Dada a gravidade da situação exposta no relatório da comissária, a UE está pronta para iniciar a preparação de medidas específicas e aplicar aos elementos das forças de segurança [da Venezuela] implicados em práticas de tortura e outras violações graves dos Direitos Humanos", disse a declaração da representante da UE.

Veja também

Mais de 30 milhões de casos de coronavírus são registrados no mundo
Pandemia

Mais de 30 milhões de casos de coronavírus são registrados no mundo

Ex-modelo acusa Donald Trump de agressão sexual em 1997
Denúncia

Ex-modelo acusa Donald Trump de agressão sexual em 1997