Mundo

União Europeia vai ter plano para fechar rota migratória no Mediterrâneo

Objetivo é ajudar a Líbia a controlar sua costa e suas fronteiras

Maioria dos migrantes saiu da costa da Líbia e tentavam entrar no continente europeu pelo mar MediterrâneoMaioria dos migrantes saiu da costa da Líbia e tentavam entrar no continente europeu pelo mar Mediterrâneo - Foto: Aris Messinis/AFP

A União Europeia apresentará no início de fevereiro um plano para fechar a chamada Rota do Mediterrâneo, por meio da qual milhares de imigrantes viajam em embarcações superlotadas da Líbia à Itália. O objetivo é ajudar a Líbia a controlar sua costa e suas fronteiras. As informações são da Agência Ansa.

O projeto será divulgado pela alta representante para Política Externa da UE, a italiana Federica Mogherini, durante uma cúpula informal em Valeta, na capital de Malta. Entre os principais pontos da iniciativa, estará o treinamento da Guarda Costeira da Líbia e o fornecimento de meios navais para que o país africano tenha um papel central no controle de suas águas territoriais.

É comum que navios europeus, sob coordenação da Guarda Costeira da Itália, realizem operações de resgate na costa da Líbia e levem os imigrantes para portos das regiões de Sicília, Calábria e Puglia, no sul da península. Se a Líbia assumir essa função, os deslocados externos passarão a ser levados de volta ao país africano.

Além disso, a União Europeia vai propor pelo menos 200 milhões de euros de financiamento para projetos na Líbia e reforçará suas fronteiras com Egito, Tunísia e Argélia, em colaboração com os governos dessas três nações, para evitar o surgimento de rotas alternativas.

Também serão anunciadas medidas para melhorar as condições de vida nos campos de acolhimento em território líbio e para incentivar o retorno de imigrantes econômicos, que não têm direito a refúgio, a seus países de origem.

Em 2016, o caminho marítimo entre Líbia e Itália voltou a ser a principal rota migratória do Mediterrâneo, após a UE ter chegado a um acordo com a Turquia para fechar a chamada "via balcânica", que começava na Síria e entrava na Europa pela Grécia.

No trajeto que tem como destino o litoral italiano, a maioria dos imigrantes é de origem africana, principalmente da região subsaariana. No ano passado, a Itália recebeu 181 mil deslocados externos, um crescimento de 20% em relação a 2015.

Veja também

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'
Estados Unidos

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU
Repressão a uigures

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU