Unicef pede 70 milhões de dólares para atender 900 mil crianças na Venezuela

Ajuda imediata dará acesso à água potável a 800 mil pessoas e permitirá vacinar contra o sarampo mais de 1,2 milhão de crianças

Crianças venezuelanasCrianças venezuelanas - Foto: Divulgação

A Unicef pediu nesta terça-feira (20) 70 milhões de dólares para prestar assistência humanitária fundamental este ano a 900 mil crianças na Venezuela, em meio à crise política e social que atinge o país.

"Para que a Unicef e seus aliados possam atender as necessidades humanitárias fundamentais dos meninos, meninas e famílias do país, é essencial que nas próximas semanas receba estes novos fundos", apontou a organização em um comunicado.

Leia também:
Novo apagão deixa parte da Venezuela no escuro
Brasil veta entrada de funcionários venezuelanos que tenham "atentado contra a democracia"

A ajuda imediata dará acesso à água potável a 800 mil pessoas e permitirá vacinar contra o sarampo mais de 1,2 milhão de crianças, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Ao mesmo tempo, permitirá tratar 7 mil menores por desnutrição, distribuir material educativo a 680 mil crianças e proporcionar assistência de saúde a mais de 170 mil mulheres grávidas e recém-nascidos.

Segundo a diretora-executiva da Unicef, Henrietta Fore, "cerca de 3,2 milhões de meninos e meninas da Venezuela necessitam ajuda humanitária devido ao fato de que as condições em todo o país continuam se deteriorando".

"Estamos intensificando nosso trabalho para ajudar as crianças e as famílias que lutam contra a escassez de alimentos e o acesso limitado a serviços essenciais como o atendimento de saúde, a água potável e a educação", acrescentou Fore.

Veja também

Uso de enxaguante bucal para combater coronavírus não tem comprovação científica
Fake News

Uso de enxaguante bucal para combater coronavírus não tem comprovação científica

Londres prende centenas de manifestantes por violarem restrições da Covid
Coronavírus

Londres prende centenas de manifestantes por violarem restrições da Covid