Voo MH17 foi derrubado por míssil russo em 2014, conclui investigação

Moscou seguiu negando qualquer envolvimento russo com a queda do avião

Filme "Animais Fantásticos e Onde Habitam"Filme "Animais Fantásticos e Onde Habitam" - Foto: Divulgação

A investigação internacional que apura as causas da queda do voo MH17 na Ucrânia, em julho de 2014, anunciou nesta quarta-feira (28) na Holanda a conclusão de que o Boeing da Malaysia Airlines foi derrubado por um míssil russo.

Segundo os investigadores, o sistema antiaéreo BUK usado para derrubar o avião foi transportado da Rússia para o leste da Ucrânia, área controlada por rebeldes pró-Moscou, e levado de volta à Rússia imediatamente após a tragédia que deixou 298 mortos.

Segundo um familiar de uma das vítimas, que foram informados da conclusão das investigações pouco antes da imprensa, os investigadores também identificaram 100 potenciais suspeitos da queda do avião. Os promotores, porém, não podem indiciar ninguém porque não há consenso internacional sobre qual a corte em que o caso deveria ser julgado.

O time de investigadores é composto por ucranianos, holandeses, belgas, malaios e australianos. Eles afirmaram que irão divulgar detalhes do local de onde o míssil foi lançado e o tipo do míssil BUK.

À época, separatistas ucranianos simpáticos à Rússia lutavam no leste da Ucrânia contra as forças do governo ucraniano. O Boeing 777 se partiu em diversos pedaços ainda no ar, espalhando destroços em uma extensa área em território controlado pelos rebeldes.

Três horas antes de o MH17 ser abatido, jornalistas da Associated Press viram um lança-mísseis BUK M-1 passando pela cidade de Snizhne, controlada pelos separatistas, carregando quatro mísseis de 5,5 metros de comprimento.

Se a investigação confirmar a suspeita de que o míssil foi lançado de Snizhne, ficará difícil para Moscou manter a alegação de que o avião foi derrubado pelo Exército ucraniano. À época, a área controlada por Kiev mais próxima ficava a seis quilômetros de distância.

Moscou seguiu negando nesta quarta-feira qualquer envolvimento russo com a queda do avião.

"Dados de radar obtidos em primeira-mão identificaram todos os objetos voadores que poderiam ter sido lançados ou que estavam no ar sobre o território controlado pelos rebeldes naquele momento. Os dados são claros: não havia míssil. Se houvesse um míssil, só poderia ter sido disparado de outro local", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

A queda do Boeing teve papel significativo na decisão de Estados Unidos e União Europeia de impor sanções à Rússia em relação ao conflito ucraniano.

Veja também

Trump e Biden se enfrentam em último debate sob tensão máxima
EUA

Trump e Biden se enfrentam em último debate sob tensão máxima

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria
internacional

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria