Musical criado por educadora leva inclusão a escolas públicas

Opereta, com audiodescrição e partituras com transcrição em Braille, percorrerá oito escolas de ensino do Recife, Olinda e Camaragibe

O espetáculo narra  uma fábula de bonecos que cantam o lírico, acompanhados por  teclado e percussãoO espetáculo narra uma fábula de bonecos que cantam o lírico, acompanhados por teclado e percussão - Foto: Divulgação

A iniciação musical inclusiva é o principal ponto de partida para o projeto “A Pata e a Raposa - Uma opereta de formas animadas”. A partir da próxima quarta-feira, o musical, que nasceu de uma fábula criada pela educadora Fátima Marinho, percorrerá oito escolas da rede estadual de ensino dos municípios do Recife, Olinda e Camaragibe.

“As unidades de ensino selecionadas são de ensino fundamental, médio e com educação especial. A forma que iremos apresentar o musical trabalha muito com a inclusão. Teremos audiodescrição e partituras com transcrição em Braille para que todos nas escolas participem, explicou a coordenadora do projeto.

Leia também:
Educadora apresenta dicas para a produção de redação
Musical infantil Bob Zoom chega ao Recife


O espetáculo narra uma fábula de bonecos que cantam o lírico, acompanhados por teclado e percussão. Na história, a Pata Catarina e o Pato João tiveram sete filhotes representados pelas notas musicais (Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá e Si) e a Raposa é representada pelas teclas pretas. “A Raposa vive triste, solitária e quer companhia. Por isso, sequestra os patinhos, mas os pais conseguem resgatá-los. A Raposa pede perdão e é convidada para viver com a família. A história termina com todos cantando as 12 notas musicais”, disse Fátima.

Realizado sempre as quartas-feiras, das 16h às 17h, a opereta segue até o dia 5 de dezembro. Serão contempladas neste primeiro momento as escolas Professor Leal de Barros (Engenho do Meio); Marcelino Champagnat (Tejipió); Brigadeiro Eduardo Gomes (Boa Viagem); Francisco de Paula Correia Araújo (Camaragibe); Conselheiro Samuel Mac Dowell (Camaragibe); Áurea de Moura Cavalcante (Ouro Preto); Jerônimo de Albuquerque (Rio Doce); e Cônego Rochael de Medeiros (Santo Amaro).

“A nossa proposta é promover a iniciação musical para os alunos das escolas e comunidade de forma lúdica e rica. Por isso, adaptamos a minha obra A Pata e a Raposa para uma opereta onde os cantores líricos são os personagens”, reforça. O projeto inédito em escolas públicas foi selecionado pelo Funcultura e mistura teatro de bonecos (mamulengo e fantoche) com canto lírico, estimulando a percepção musical com a escala cromática de Do Maior. A educadora e musicista Fátima Marinho foi vencedora do Prêmio Mestre da Cultura Popular concedido em 2017 pelo Ministério da Cultura.

Veja também

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia
Coronavírus

Amazonas receberá cota extra de vacinas para frear pandemia

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio
Coronavírus

Avião com doses da vacina de Oxford, produzida na Índia, chega ao Rio