PEC 241

“Não aplaudam, porque depois eu vou bater em vocês”, diz Silvio Costa

Surpreendeu muita gente o voto do deputado federal pernambucano Silvio Costa (PTdoB ), favorável à aprovação da PEC 241, que limita, entre outras coisas, os gastos do governo à inflação do ano anterior. “Não aplaudam porque depois eu vou bater em vocês”,

Aquaman (2018)Aquaman (2018) - Foto: Divulgação

Surpreendeu muita gente a declaração do deputado federal Silvio Costa (PTdoB-PE), que se mostrou favorável à aprovação da PEC 241, que limita, entre outras coisas, os gastos do governo à inflação do ano anterior. “Não aplaudam, porque depois eu vou bater em vocês”, disse Silvão, após ser aplaudido pelos aliados de Michel Temer.

Sobre o voto, o deputado comentou: “O Brasil tem 2,2 milhões servidores federais, somos 206 milhões de habitantes. É evidente que servidores estão chateados e têm motivo para isto porque vão ficar sem aumento real ao longo de 20 anos. Mas, mesmo sabendo que esta é uma proposta legítima de um governo ilegítimo, eu vou votar a favor da PEC, porque vou votar a favor dos 204 milhões de brasileiros, dos homens e mulheres que vão dormir todo o dia com medo de perder o emprego, que não têm estabilidade, dos que estão desempregados”.

 Silvão ainda fez um apelo para que os partidos de esquerda reconsiderassem suas críticas, que fossem “menos corporativistas” e reconhecessem os mitos que estão sendo impostos à proposta. “Esta história que vai faltar dinheiro para saúde e educação é mentira. Tudo o que for gasto em 2016, quando chegar em 2017 será corrigido pela inflação. A PEC ainda diz que se chegar ao absurdo de faltar dinheiro pode ser remanejada de outras rubricas. O problema da saúde e da educação não é dinheiro, é gestão”, concluiu.

Veja também

Homem é espancado por grupo de pessoas em confusão por som alto no Janga, em Paulista
Violência

Homem é espancado por grupo de pessoas em confusão por som alto no Janga, em Paulista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista
Entrevista

Letalidade menor da Covid-19 eleva dúvidas sobre confinamentos, diz epidemiologista