Explosão em Beirute

Não há relatos de brasileiros mortos após megaexplosão em Beirute, diz Itamaraty

Segundo o ministério, também não há informações sobre brasileiros gravemente feridos

Explosão em Beirute, LíbanoExplosão em Beirute, Líbano - Foto: Marwan Tahtah/AFP

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil informou que não há relatos de brasileiros mortos ou gravemente após a megaexplosão no porto de Beirute, capital do Líbano, nessa terça-feira (4). 

"O Itamaraty seguirá acompanhando a situação por meio da Embaixada do Brasil em Beirute, em coordenação com a Divisão de Assistência Consular (DAC) em Brasília", diz a nota oficial do ministério. A última atualização aponta para um total de pelo menos 100 mortos e quase 4 mil feridos pela explosão.

"O governo brasileiro solidariza-se com o povo e o governo do Líbano pelas vítimas fatais e pelos feridos atingidos pelas graves explosões que tiveram lugar no porto de Beirute", acrescenta a nota do Itamaraty.

 

O Ministério das Relações Exteriores afirmou ainda que acompanha com atenção os acontecimentos na cidade e está pronto para prestar a assistência consular cabível.

Números de contato
O telefone de plantão consular da Embaixada do Brasil em Beirute está disponível, segundo o Itamaraty, para informações sobre a situação dos brasileiros no Líbano pelo número +961 70108374

O núcleo de assistência a brasileiros do ministério em Brasília também está à disposição para informações, de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h, pelos telefones +55 61 2030 8820/6756/6753 e pelo e-mail [email protected]

Nos demais horários, poderá ser contatado o telefone do plantão consular da Secretaria de Assuntos de Soberania Nacional e Cidadania do Itamaraty pelo número +55 61 98197-2284.

Veja também

Reino Unido é o primeiro país europeu a superar marca de 100 mil mortes por Covid-19
Coronavírus

Reino Unido é o primeiro país europeu a superar marca de 100 mil mortes por Covid-19

Bolsonaro se vangloria de número de vacinados e agora defende imunização 'para a economia funcionar'
Presidente

Bolsonaro se vangloria de número de vacinados e agora defende imunização 'para a economia funcionar'