'Não sou coveiro', diz Bolsonaro sobre qual seria número aceitável de mortes por coronavírus

Ao todo, são 2.575 óbitos no País por Covid-19

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Alan Santos/PR

Enquanto defende a abertura de escolas e do comércio em meio à pandemia de coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não quis falar sobre qual seria o número de mortes que ele julga aceitável para defender essas medidas -desaconselhadas por órgãos de saúde.

Questionado pela Folha de S.Paulo nesta segunda-feira (20) a respeito das mortes, Bolsonaro disse: "Eu não sou coveiro", e não quis mais falar sobre a relação entre a mortalidade da doença e medidas de restrição.

O Ministério da Saúde corrigiu dados que tinha divulgado mais cedo e afirmou que o país registrou 113 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 h, e não o numero de 383, que seria recorde. Ao todo, são 2.575 óbitos no país por Covid-19.

Leia também:
Transformar crise de saúde em farra eleitoral é inaceitável, diz Guedes
Covid-19 atinge mais de 40 mil e causa 2.575 mortes no Brasil


Bolsonaro falou com a imprensa na noite desta segunda na entrada do Palácio da Alvorada. Em tom de anúncio, disse que havia conversado com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), sobre a abertura das escolas cívico-militares e também do colégio militar na capital federal já na próxima segunda-feira (27).

O DF tem dez escolas cívico-militares e um colégio ligado ao Exército. Bolsonaro disse ainda defender a abertura de todos os colégios militares do país -são 13 unidades ligadas ao Exército. No modelo cívico-militar, a gestão é compartilhada com a PM ou bombeiros, mas a unidade é ligada à secretaria de Educação estadual ou municipal.

Bolsonaro disse que a abertura de escolas no DF seria um primeiro passo "no tocante à educação" e que os pais ainda estão com medo. Ainda não há definição final.

Governos de vários países determinaram o fechamento de escolas como forma de reduzir a infecção pelo Covid-19 por causa da concentração de pessoas provocada pelas aulas.

Questionado sobre a possibilidade de alta na transmissão ao abrir as escolas, Bolsonaro disse que não é médico, voltou a falar de economia e a pressionar governadores.

"O nosso ministro da saúde também é economista, coincidência ou não, é um bom nome para estar à frente do ministério", disse ele, que citou decreto do governo de Goiás que flexibiliza as restrições de circulação e relatou ter falado sobre o assunto com o o ex-ministro e deputado Osmar Terra (MDB-RS) -médico que defende isolamentos mais brandos.

"Também conversei com Paulo Guedes (Economia) hoje e o que acontece. A intenção nossa é ajudar [as pessoas que perderam renda com as restrições da pandemia], mas ajudar até quando? Os governadores têm que sinalizar também. E outra, é realidade, em média 70% vai [sic] pegar o vírus. Não adianta ficar fugindo dessa realidade, ninguém contesta esse percentual."

O presidente defende o relaxamento das restrições de circulação adotadas por governos estaduais, indicadas por órgãos de saúde, especialistas e também determinadas em praticamente todos os países que enfrentam a pandemia.

O presidente até trocou o ministro da Saúde para ter ao seu lado um nome mais alinhado com aquilo que defende. Saiu Luiz Henrique Mandetta, que defendia medidas de isolamento mais sérias, e entrou o médico oncologista Nelson Teich.

Bolsonaro disse que fez apenas uma indicação para a equipe do novo ministro. Questionado se defendia o general Eduardo Pazuello para o cargo de nº 2 da pasta, ele disse que a decisão era do ministro, mas elogiou o general.

"Vamos supor que seja ele, não é porque é general, é uma pessoa responsável por ter realizado a Olimpíada no Rio. É o homem que organizou a complexa Operação Acolhida, é um gestor fenomenal, mas quem vai decidir vai ser o nosso ministro".

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Camaragibe abre agendamento para vacinação contra Influenza
Saúde

Camaragibe abre agendamento para vacinação contra Influenza

Índia registra recorde de 200 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas
PANDEMIA

Índia registra recorde de 200 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas