EUA e Rússia

Nasa diz que EUA e Rússia seguem trabalhando juntos 'pacificamente no espaço'

No entanto, a agência espacial americana anunciou que busca soluções que a mantenham em órbita sem a ajuda da Rússia

 Estação Espacial Internacional (ISS) Estação Espacial Internacional (ISS) - Foto: Pixabay

A Estação Espacial Internacional (ISS), que funciona sobretudo graças à colaboração entre os Estados Unidos e a Rússia, não está sendo afetada neste momento pelas extremas tensões entre os dois países após a invasão russa à Ucrânia, garantiu nesta segunda-feira (28) a Nasa.

No entanto, a agência espacial americana anunciou que busca soluções que a mantenham em órbita sem a ajuda da Rússia.

"Operamos pacificamente no espaço agora", disse a administradora associada da Nasa, Kathy Lueders. 

"Não temos indicações, a nível operacional, de que os nossos homólogos não estejam empenhados em continuar as operações em curso” na ISS, enfatizou, em resposta a uma pergunta em uma coletiva de imprensa.

As equipes americanas e russas "seguem conversando entre si" e "seguem trabalhando juntas", acrescentou.

No entanto, a Nasa está “avaliando a situação". A Rússia é essencial para o bom funcionamento da Estação, pois seu sistema de propulsão, que permite fazer correções de órbita, depende de naves russas.

Lueders citou negociações com a Northrop Grumman e a SpaceX, cujas naves espaciais já vão para a ISS. 

Na semana passada, em uma série de tweets incendiários, o diretor da agência espacial russa, Dmitry Rogozin, acusou Washington de querer “destruir” a cooperação em torno da Estação.

Sem a Rússia, "quem salvará a ISS de uma saída descontrolada de órbita e de cair sobre os Estados Unidos ou a Europa?", perguntou ele em tom de ameaça.

Após a imposição de sanções europeias à Rússia, a agência espacial russa Roscosmos reagiu neste fim de semana anunciando a suspensão de seus lançamentos da base espacial Kurú, na Guiana Francesa.

Veja também

Petroleiros venezuelanos exigem inclusão em leilão de subsidiária da PDVSA nos EUA
Mundo

Petroleiros venezuelanos exigem inclusão em leilão de subsidiária da PDVSA nos EUA

China anuncia meta de crescimento econômico de 5% para 2024, segundo informe de trabalho
Economia

China anuncia meta de crescimento econômico de 5% para 2024, segundo informe de trabalho