Espaço

Nasa lança missão Lucy, dedicada a estudar asteroides 'companheiros' de Júpiter

A espaçonave foi levada ao espaço por um foguete Atlas V, iniciando uma jornada que deve durar pelo menos 12 anos

Missão Lucy, da NasaMissão Lucy, da Nasa - Foto: Bill Ingalls/Nasa/AFP

A Nasa lançou, neste sábado (16), a sonda Lucy, sua primeira missão robótica dedicada a explorar os asteroides troianos, que acompanham o gigante Júpiter em sua órbita ao redor do Sol.

O lançamento partiu no horário marcado, às 6h34 (de Brasília), em Cabo Canaveral, Flórida. A espaçonave foi levada ao espaço por um foguete Atlas V, iniciando uma jornada que deve durar pelo menos 12 anos. Não é fácil chegar aos arredores da órbita joviana e mais difícil ainda chegar a uma velocidade suficientemente moderada para que a espaçonave possa explorar individualmente vários asteroides, um após o outro.

Para isso, a sonda fará três sobrevoos da própria Terra, em 2022, 2024 e 2030. Após o segundo deles, a Lucy passará, em 2025, por um objeto do cinturão de asteroides que atende pelo peculiar nome Donaldjohanson. É o nome do paleoantropólogo que descobriu o fóssil que dá nome à missão, o australopiteco de 3,5 milhões de anos que ajudou a reconstruir a história da evolução humana (ao estudar os asteroides troianos, a missão espera revelar os segredos da formação do Sistema Solar, tendo impacto similar ao de sua homônima fóssil).

Após passar pelo asteroide Donaldjohanson, a sonda chegará ao primeiro grupo de troianos a serem estudados, num dos cinco pontos de Lagrange que existem em cada sistema gravitacional de dois corpos.



Essas regiões, moldadas pela gravidade combinada de Júpiter e do Sol, servem como uma espécie de estacionamento natural para espaçonaves e outros pequenos objetos, como asteroides. Ao longo da missão, a
Lucy visitará os pontos L4 e L5. O L4 fica na órbita de Júpiter, mas 60 graus à frente dele. Lá ela visitará cinto objetos: Eurybates e seu satélite Queta, Polymele, Leucus e Orus. Tudo isso entre 2027 e 2028.

Depois da visita ao L4, a sonda volta a fazer um sobrevoo da Terra e então ruma novamente para a órbita de Júpiter, mas desta vez para o L5, onde visitará pelo menos dois objetos: a dupla Patroclus e Menoetius, em 2033.



Ou seja, serão ao todo 7 asteroides troianos visitados, além do encontro com o Donaljohanson no cinturão de asteroides.

Para operar com sucesso em uma região tão longínqua do Sistema Solar, a sonda conta com dois painéis solares superleves e enormes, cada um formando um círculo com mais de 7 metros de diâmetro.

A missão foi selecionada em 2017 como parte do programa Discovery, em que a Nasa seleciona missões de baixo custo propostas por cientistas com objetivos bem definidos.

Veja também

Após debandada, presidente da Capes faz apelo para que coordenadores permaneçamBRASIL

Após debandada, presidente da Capes faz apelo para que coordenadores permaneçam

Recife promove primeiro encontro com outras capitais para decidir sobre o CarnavalCarnaval

Recife promove primeiro encontro com outras capitais para decidir sobre o Carnaval