Náutico vai até o fim na briga pelo acesso

Graças à vitória sobre o Tupi/MG, equipe alvirrubra renovou esperança de chegar à Série A

Até chegar a hora do jogo, vamos ter alegria porque estamos vivosAté chegar a hora do jogo, vamos ter alegria porque estamos vivos - Foto: Clemilson Campos

O Náutico pode até não garantir acesso à Série A neste ano. Entretanto, não será por falta de luta. Isso porque, em razão da goleada imposta pelo Timbu sobre o Tupi/MG, no último sábado, os alvirrubros, com 60 pontos na tabela, vão chegar à última rodada da Segundona com chances reais de conseguir uma vaga na primeira divisão. Para isso, portanto, terá que fazer o dever de casa, literalmente - pois encara o Oeste/SP no próximo sábado, dia 26, na Arena de Pernambuco - e também torcer por tropeços de ao menos um de seus concorrentes diretos: Vasco (62) ou Bahia (63). A equipe pernambucana pode até não depender das próprias forças, mas é cedo para dizer que o sonho acabou.

Outrora franco favorito ao título da Série B, o Vasco sofreu queda drástica na competição. Na última rodada, a penúltima da competição, o clube do Rio de Janeiro poderia ter selado sua passagem para a primeira divisão caso vencesse o Criciúma, que só cumpria tabela, em Santa Catarina. Eis que o Cruzmaltino abusou da incompetência e acabou derrotado por 1x0, reavivando as esperanças alvirrubras. Agora, precisa vencer o Ceará, que não tem mais pretensões no campeonato. A sorte é que joga em casa, diferentemente do Bahia. O Tricolor de Aço agora terá que, ao menos, empatar com o já campeão Atlético/GO, em Goiás. Se perder e o Timbu ganhar, dá adeus ao acesso.

No entanto, de nada adianta o Náutico ‘secar’ os adversários se a própria equipe não cumprir com a sua obrigação. Além disso, o Timbu não teve a ‘sorte’ de encarar equipes que estejam cumprindo tabela. Afinal, com 38 pontos, na 16ª posição, o Oeste/SP ainda luta contra o rebaixamento. O Joinville, 17º, tem 37 pontos e joga em casa contra o Vila Nova/GO (10º, com 53 pontos) que não tem mais motivações. Portanto, toda concentração será necessária no próximo sábado. “De nada vai valer torcer contra, se não ganharmos o nosso. Primeiro temos que fazer o nosso dever, para só depois ver os resultados dos outros”, ressaltou o goleiro Júlio César.

E no que depender do experiente alvirrubro, a equipe vai suar até o último minuto na briga pelo acesso. “Se não subirmos, que seja por mérito dos outros e não porque não vencemos o Oeste/SP. O Náutico vai ser competitivo, brigando até o final. E luta não vai faltar”, assegurou o arqueiro. O técnico Givanildo Oliveira também mostra otimismo em relação à situação alvirrubra. “Até chegar a hora do jogo, vamos ter alegria porque estamos vivos. Vou lembrar a eles dos seis jogos seguidos que ganhamos. Agora tem o Vasco na briga e antes era só o Bahia. Nós temos é que nos preparar para ganhar o jogo. Depois, vemos o que acontece depois”, destacou o treinador.

Veja também

Arce assumirá as rédeas de uma Bolívia polarizada e em crise econômica
América Latina

Arce assumirá as rédeas de uma Bolívia polarizada e em crise econômica

Rússia espera registro da Sputnik V no Brasil em dezembro e produção em janeiro
Covid-19

Rússia espera registro da Sputnik V no Brasil em dezembro e produção em janeiro