Nichos religiosos de Olinda serão reformados

Estruturas católicas centenárias, semelhantes a pequenas capelas, ficam fechadas durante o ano inteiro até a Quaresma

As estruturas são semelhantes a pequenas capelas e guardam imagens de  passagens da Via Sacra,  o caminho de Jesus Cristo até a crucificaçãoAs estruturas são semelhantes a pequenas capelas e guardam imagens de passagens da Via Sacra, o caminho de Jesus Cristo até a crucificação - Foto: Gustavo Gloria

Os nichos religiosos do Sítio Histórico de Olinda, patrimônios centenários católicos que passam despercebidos no dia a dia da cidade, serão reformados a partir desta quinta-feira (15) para visitação pública durante a Páscoa. As estruturas, semelhantes a pequenas capelas que guardam imagens de passagens da Via Sacra - o caminho de Jesus Cristo até a crucificação -, ficam fechadas durante o ano inteiro até a Quaresma.

Os primeiros nichos começarão a ser reparados a partir das 8h, e o trabalho, de acordo com a Secretaria Executiva de Patrimônio de Olinda, deve prosseguir até o dia 20. O trabalho, que incluirá pintura, limpeza e conserto, será executado por 15 reeducandos do sistema prisional. Segundo a prefeitura, “todas as estruturas serão pintadas e terão limpeza interna”. Também foi garantido pela secretaria que as igrejas passarão pelo mesmo procedimento.

Leia também:
Área do antigo Engenho Trapiche dá lugar a Reserva Particular de Patrimônio Natural
[Fotos] O patrimônio de ritmo e adoração de Pernambuco


Também conhecidos como Passos de Olinda, esses nichos foram construídos entre os séculos 18 e início do século 19 e servem como pontos de reflexão da Procissão dos Passos, que recria uma Via Sacra na época da Páscoa. De acordo com a historiadora Marieta Borges, dos 14 nichos erguidos, apenas seis ainda resistem ao tempo. Eles poderão ser vistos durante a procissão deste ano, realizada no dia 23 de março.

O cortejo começa pelo nicho do Alto da Sé, perto da Igreja da Sé. Lá está a a imagem de “Jesus no monte das Oliveiras, em oração”, esculpida em madeira de cedro, estilo barroco, com data de 1809. O segundo passo está no Largo do Amparo, na frente da Igreja do Amparo. Em seguida, o Passo dos Quatro Cantos, quase escondido em uma parede lateral de um bar. Os passos seguintes estão na Ribeira, na rua Bernardo Vieira de Melo, na Rua 27 de Janeiro, próximo à igreja de São Pedro Mártir e da sede da Pitombeira dos Quatro Cantos. Todos eles contam passagens da vida de Jesus.

O nicho dos Quatro Cantos é cuidado pela família de Dora Nigro, de 67 anos, “desde o tempo do meu avô”, segundo ela. “Durante o ano a gente deixa fechado, mas o ideal seria que todos os nichos tivessem mais carinho do poder público. É algo centenário e Olinda só vê durante a procissão”, reclama a aposentada, que também reforça que há muito tempo os passos necessitam de uma reforma e boa parte deles tem portas e paredes estragadas pelo tempo.

Para Dora, os nichos merecem ser mais visitados. “Além de ser um ponto turístico, é parte da nossa religião. Os turistas visitam as igrejas, e os nichos deveriam ser vistos também.” A Secretaria de Patrimônio justificou que o fechamento é uma decisão da Arquidiocese de Recife e Olinda, que não se pronunciou a respeito.

Veja também

Professora da Unicap é acusada de racismo
Racismo

Professora da Unicap é acusada de racismo

Homem é condenado a pagar 15 salários mínimos por maltratar cães em MG
animais

Homem é condenado a pagar 15 salários mínimos por maltratar cães em MG