SAMBA

No carnaval do Rio, Viradouro e Mangueira se destacam na 2ª noite de desfiles na Sapucaí

A apuração será na tarde de Quarta-Feira de Cinzas (14), na Praça da Apoteose

Mocidade abriu o segundo dia de desfile na Sapucaí cantando o cajuMocidade abriu o segundo dia de desfile na Sapucaí cantando o caju - Foto: Marcos Terranova/Riotur

Na segunda noite de desfiles das escolas de samba do Rio, Unidos do Viradouro e Mangueira se destacaram no Sambódromo da Marquês de Sapucaí e se credenciaram na disputa pelo título. A competição tem também a Imperatriz Leopoldinense, principal destaque da primeira noite, e outras que empolgaram menos, mas também concorrem, como Grande Rio e Beija-Flor, no domingo (11), e Mocidade Independente e Vila Isabel, na segunda-feira (12).

A apuração será na tarde de Quarta-Feira de Cinzas (14), na Praça da Apoteose, como chama a parte final do sambódromo.

As seis escolas melhor colocadas voltam a se exibir no desfile das Campeãs, na noite do próximo sábado (17).

Mocidade Independente de Padre Miguel
A Mocidade Independente de Padre Miguel foi a primeira escola a desfilar na segunda noite de exibições no sambódromo, a partir das 22 horas de segunda-feira. A agremiação da zona oeste do Rio discorreu sobre o caju e usou o trunfo de ter o samba mais famoso desta temporada pra fazer o desfile mais animado até então, contando a ligação do fruta com a história do Brasil e outras curiosidades.

Se sobrou animação, o luxo de fantasias e alegorias não foi comparável ao apresentado na noite anterior pela Grande Rio e pela Imperatriz, por exemplo.

Por coincidência, o desfile ocorreu no dia do aniversário de Castor de Andrade (1926-1997), famoso contraventor que foi patrono da escola e que, se estivesse vivo, completaria 98 anos.

Atualmente o presidente de honra da escola é um sobrinho de Castor, Rogério de Andrade. Por ordem judicial, ele usa tornozeleira eletrônica e está proibido de sair de casa à noite: por isso não foi ao sambódromo.

A mulher de Rogério, Fabíola Andrade, é a rainha da bateria da Mocidade. Antes do desfile, ela distribuiu kits de calcinhas e sutiãs para a plateia do setor 1 do sambódromo.

Portela
A segunda agremiação a desfilar foi a Portela, que apresentou um enredo sobre o racismo. O samba não empolgou tanto como o da Mocidade, mas as alegorias eram mais luxuosas.

A exibição da escola uniu técnica e emoção, mas houve problemas com o primeiro carro alegórico, que quebrou ainda na concentração e teve de ser consertado às pressas.

Desfilaram pela escola, entre outras personalidades, o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, e Marinete Silva, mãe de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro assassinada em março de 2018.

Unidos de Vila Isabel
A terceira agremiação a desfilar foi a Unidos de Vila Isabel, que reeditou o enredo de 1993, "Gbala - Viagem ao Templo da Criação", baseada num conto religioso sobre a recriação do mundo pelas crianças.

O samba é de autoria de Martinho da Vila, que completou 86 anos exatamente na segunda-feira e ganhou "Parabéns a Você" executado pela bateria, antes do início do desfile.

O cantor e compositor, presidente de honra da Vila Isabel, desfilou representando Oxalá, no 6º e último carro alegórico.

A escola fez um desfile técnico e correto, com carros alegóricos bonitos e fantasias fáceis de interpretar, mas faltaram as surpresas com que o carnavalesco Paulo Barros costuma brindar o público.

Barros passou mal após o desfile, na dispersão, mas recebeu atendimento médico e se recuperou.

Outro que passou mal, mas ainda na concentração, foi o intérprete Tinga, que se recuperou e conseguiu cantar normalmente ao longo do desfile.

Mangueira
A Mangueira foi a quarta escola a se apresentar, homenageando a cantora Alcione, ilustre integrante da Verde e a Rosa e uma das fundadoras da Mangueira do Amanhã, versão mirim da agremiação.

Ela desfilou no último carro alegórico, mas antes de se dirigir a ele, durante o "esquenta" na concentração, cantou à capela um trecho do samba-enredo.

Não faltaram amigos famosos da cantora, como a também cantora Maria Bethânia, que desfilou sobre um tripé. O samba, que não era apontado como dos melhores do ano, funcionou muito e animou o desfile.

Com fantasias e alegorias bem feitas e coloridas, a escola fez ótimo desfile, mas uma escultura que representava a própria Alcione no último carro alegórico quebrou, o que deve tirar décimos da escola no quesito "alegorias e adereços".

Já na dispersão houve mais um problema com esse mesmo carro alegórico: enquanto era retirada pelo guindaste, uma mulher caiu do carro. Segundo integrantes da escola, ela foi socorrida e sofreu apenas escoriações.

Paraíso do Tuiuti
A quinta escola a desfilar foi a Paraíso do Tuiuti, que retratou a Revolta da Chibata e homenageou o marinheiro João Cândido.

Embora o tema tenha sido muito bem apresentado, foi um desfile morno, e a escola deve ficar fora do desfile das campeãs.

Viradouro
A Viradouro encerrou a segunda noite de desfiles das escolas de samba do Rio com o enredo "Arroboboi, Dangbé", sobre o vodun Dangbé, culto do candomblé Jeje representado pela serpente. A serpente surgia já na comissão de frente, muito aplaudida.

Atual vice-campeã, a escola fez um desfile de muito luxo e brilho e de fácil compreensão e vai disputar o título novamente. O samba não chegou a empolgar a plateia, mas os integrantes da escola cantaram a plenos pulmões.

A exibição terminou às 5h55 desta terça-feira, aos gritos de "é campeã".

Veja também

Blinken cita 'divergência real' por fala de Lula sobre Israel, mas destaca aliança
POLÊMICA

Blinken cita 'divergência real' por fala de Lula sobre Israel, mas destaca aliança

Medicamento para a asma pode prevenir riscos de alergias alimentares, diz estudo
PESQUISA

Medicamento para a asma pode prevenir alergias alimentares