No México, dinheiro da venda de mansão de traficante vai para atletas do Pan

Delegação mexicana contou com 541 atletas e conquistou 37 medalhas de ouro, 36 de prata e 63 de bronze, em Lima

Zhenli Ye GonZhenli Ye Gon - Foto: Reprodução/Internet

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, anunciou nessa segunda-feira (12) que os 5,25 milhões de dólares obtidos na venda de uma mansão que pertencia a um empresário acusado de narcotráfico serão destinados aos 541 atletas do país que participaram dos Jogos Pan-Americanos Lima-2019.

O imóvel leiloado no domingo pertencia ao empresário de origem chinesa Zhenli Ye Gon, que ficou conhecido em 2007 após a polícia encontrar na sua residência 205 milhões de dólares em notas, escondidos em um cômodo.

Leia também:
Mais de 80% dos medalhistas recebem incentivos do Bolsa Atleta
Atletas recebem a primeira remuneração do programa Bolsa Atleta
México vence o Chile e se sagra campeão da Copa do Mundo para Moradores de Rua

Ye Gon, extraditado para os Estados Unidos, foi acusado pelas autoridades mexicanas de ser líder de uma quadrilha dedicada à fabricação de pseudoefedrina, um elemento utilizado produção da metanfetamina.

O leilão de bens de narcotraficantes faz parte da política do governo mexicano de "devolver ao povo o que lhe foi roubado", afirmou Obrador.

A mansão foi comprada pelo empresário mexicano Carlos Bremer, que encabeça uma fundação voltada ao incentivo esportivo. A verba da venda será destinada justamente para apoiar os jovens atletas do país. 

O México terminou em terceiro lugar no quadro de medalhas dos Jogos Pan-Americanos de Lima, atrás de Estados Unidos e Brasil, com 37 medalhas de ouro, 36 de prata e 63 de bronze.

Veja também

Confira a previsão do tempo para Pernambuco para este último domingo de setembro
PERNAMBUCO

Confira a previsão do tempo deste último domingo de setembro

Dona de casa processa União por US$ 1.000 de auxílio que Bolsonaro citou na ONU
Auxílio Emergencial

Dona de casa processa União por US$ 1.000 de auxílio que Bolsonaro citou na ONU