No Recife, candidatos relatam trânsito tranquilo e preocupação com horário de verão

Candidatos terão cinco horas e meia para responder questões de Linguagens e Humanas e fazer uma redação

Abertura dos portões no primeiro dia do Enem 2018Abertura dos portões no primeiro dia do Enem 2018 - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Os portões dos locais de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) já estão abertos em todo o País. Em Pernambuco, o acesso de candidatos foi liberado às 11h, no horário local, e será fechado ao meio-dia. A aplicação das provas de Linguagens, de Ciências Humanas e de Redação terá início meia hora depois, às 12h30.

Pela manhã, estudantes que chegavam à Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), no bairro da Boa Vista, no Centro do Recife, relatavam ter encontrado um trânsito tranquilo no caminho. A maior preocupação foi com o horário de verão, que teve início à 0h deste domingo (4) no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Leia também:
Inep desmente notícia de Enem foi cancelado
Enem: Grande Recife tem 23 linhas de ônibus reforçadas
Horário de verão começou à 0h deste domingo
Ansiedade e preocupação com horário de verão marcam chegada de estudantes aos locais de provas

Nas primeiras horas após o ajuste, é comum que celulares e despertadores sofram mudanças automaticamente, o que gerou aflição em alguns candidatos sobre perder a hora das provas. No Norte e no Nordeste, o horário de verão não vigora.

O participante não poderá deixar o local de prova antes das duas primeiras horas e só poderá levar o seu Caderno de Questões caso deixe a sala 30 minutos antes do fim da prova. O tempo máximo para responder às questões será de cinco horas e meia, com término às 18h, no horário de Pernambuco.

Veja também

Índia nega envio imediato de vacinas; governo admite fracasso na operação e requisita Coronavac
Vacina

Índia nega envio imediato de vacinas; governo admite fracasso na operação e requisita Coronavac

'Estamos em um momento muito crítico e pode piorar', diz pesquisador pernambucano
Covid-19

'Estamos em um momento muito crítico e pode piorar', diz pesquisador pernambucano