Notícias

Noivos perdem bagagem às vésperas de casamento no Recife

Na mala, estava o vestido da noiva, um anel avaliado em R$ 42 mil e sapatos

Tatiana Machado e José Augusto Rangel têm casamento marcado, mas lamentam extravio das bagagensTatiana Machado e José Augusto Rangel têm casamento marcado, mas lamentam extravio das bagagens - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Tatiana Machado e José Augusto Rangel se conheceram em 2013, começaram a namorar em 2017 e vão trocar as alianças no próximo sábado (18), em uma festa que foi pensada e construída em seus mínimos detalhes por quase dois anos. O evento, que tinha tudo para ser rodeado de boas lembranças, acabou virando um drama para os noivos.

Os dois moram no Rio de Janeiro, mas queriam comemorar o matrimônio no Recife, junto à família de Tatiana, que é pernambucana. Só não contavam com o extravio da mala onde, além de roupas e outros itens, estava o vestido da noiva e um anel avaliado em R$ 42 mil. “Também estavam nossos sapatos. O dele, inclusive, era uma surpresa. E eu tive que contar na hora de descrever o que tinha na mala”, lamentou Tatiana.

Leia também:
Universitários denunciam empresa por golpe em festas de formaturas
Estudante se mata após turma acusá-lo de desvio em dinheiro da formatura


Desde que desembarcaram no Recife, na manhã do último sábado (11), eles têm ido diariamente ao guichê da companhia aérea Azul. “Ligamos, mas o telefone não pega. Então começamos a ir, no sábado mesmo, atrás de informações lá no aeroporto. Para terminar, eles estão mudando de sala, então estão com o serviço fora do ar”, diz Tatiana. “Já pensei em desistir, adiar. Mas tem muita coisa envolvida, pessoas, dinheiro que já foi investido. Enquanto isso a gente fica na expectativa de saber se espera ou se vai atrás de outras roupas”, conta.

Após a edição da Resolução n°400/2016, as malas acima de 10 quilos precisam ser despachadas mediante um taxa que a companhia aérea estabelece. “Nós pagamos R$ 50 para despachar, porque o vestido era pesado, tinha sapato, agenda do casamento, tudo. Ainda despachamos de graça a mala de mão, porque eles pediram já que o avião estava cheio”, lembra Tatiana. “A mala de mão foi uma das primeiras a sair. Mas ficamos esperando até a esteira ficar vazia e a maior não apareceu. E por isso sabemos que ninguém pegou ali, na esteira, porque estávamos lá acompanhando”, completa José Augusto.

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a bagagem pode permanecer na condição de extraviada por, no máximo, sete dias em voos nacionais. “Na mesma hora nosso voo tinha também para Campinas e Congonhas. Eles checaram e não foi parar lá. Também não está no Galeão, que foi de onde viemos”, afirma a noiva.

Dentre os pertencentes extraviados estão as joias que ela usaria no casamento. “Eu passei cinco meses fazendo o meu vestido. Gastei indo e vindo da costureira, que é de Volta Redonda, uma cidade do Sul do Rio. Foi um vestido pensado por muito tempo, com o tecido que eu queria, do jeito que eu queria. Onde eu vou conseguir algo assim até o dia do casamento? Fora o investimento, o trabalho, o tempo”, lamentou. “Dentro também estava o meu caderno com o nome de todos os fornecedores, convites e senhas do casamento. É horrível o que está acontecendo com o nosso sonho.”

A assessoria de imprensa da Azul respondeu, apenas, que está tratando o problema diretamente com os clientes. “Até o fim do prazo não podemos acionar a justiça. Temos que esperar. Mas nada paga tudo isso que está acontecendo. A quebra de um sonho”, diz José Augusto. “Vamos seguir esperando até o dia da festa”, completa Tatiana.

Veja também

Rússia tenta tomar cidade ucraniana de Lyman, segundo líder separatista
Guerra na Ucrânia

Rússia tenta tomar cidade ucraniana de Lyman, segundo líder separatista

Coreia do Norte lança míssil balístico, segundo Exército sul-coreano
Mundo

Coreia do Norte lança míssil balístico, segundo Exército sul-coreano