Argentina

Nona pena de prisão perpétua para torturador da ditadura argentina

Miguel Etchecolatz, um dos torturadores mais emblemáticos da ditadura argentina

Miguel Etchecolatz durante seu julgamento por crimes contra a humanidade, em junho de 2014Miguel Etchecolatz durante seu julgamento por crimes contra a humanidade, em junho de 2014 - Foto: Carlos Carmele / AFP

O ex-chefe da polícia Miguel Etchecolatz, um dos torturadores mais emblemáticos da ditadura argentina (1976-1983), recebeu, nesta sexta-feira (13), sua nona sentença de prisão perpétua por crimes contra a humanidade, informou uma fonte judicial.

O Tribunal Oral Federal 1 de La Plata o condenou à prisão perpétua junto com o ex-policial Julio César Garachico por sequestro, tortura e assassinato de sete pessoas ocorridos no centro de detenção clandestino conhecido como "Pozo de Arana", que funcionava em La Plata, a 60 km ao sul da capital argentina.

"Foram crimes contra a humanidade e assim devem ser qualificados", disse o presidente do tribunal, Andrés Basso, ao ler a sentença.

Etchecolatz, de 93 anos, cumpre sua pena no presídio de Ezeiza e não assistiu a leitura do veredicto por estar internado com um quadro febril. Também não esteve presente Garachico, de 81 anos, que cumpre prisão domiciliar em Mar del Plata.

O tribunal concedeu à Garachico o benefício de permanecer sob prisão domiciliar, o que gerou repúdio dos presentes na sala que, aos gritos de "prisão comum, perpétua e efetiva", tiveram que ser retirados.

Além das condenações, o tribunal ordenou a criação de um memorial no local onde funcionava o presídio clandestino de Arana, assim como escavações em busca de restos humanos em uma fazenda próxima onde funciona uma propriedade do Exército.

Veja também

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'
ATENTADO

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump
SOLIDARIEDADE

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump

Newsletter