Manchinha antes de sofrer as agressões no Carrefour de Osasco
Manchinha antes de sofrer as agressões no Carrefour de OsascoFoto: Reprodução/Internet

A rede de supermercado Carrefour vai precisar pagar R$1 milhão pelos maus-tratos que um segurança do estabelecimento causou a um cachorro ‘Manchinha’. A determinação da quantia foi estipulada pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) e a prefeitura do município.

Segundo o portal de notícias G1, o valor será dividido para diferentes causas. A quantia de R$ 500 mil será destinada para esterilização de cães e gatos; R$ 350 mil à compra de medicamentos para animais do Hospital Municipal Veterinário de ou que estejam no canil municipal e R$ 150 mil para a aquisição e entrega de rações para associações, ONGs e demais entidades destinadas ao cuidado de animais na cidade de Osasco. A fiscalização do cumprimento do acordo fica sob responsabilidade da Promotoria de Justiça

Leia também: 
Morte de cachorro em SP: vídeos da brutalidade circulam nas redes
Cachorro que representaria Brasil em competição internacional morre atropelado em praia
Após morte de cadela, Carrefour faz parceria com ONG para treinar funcionários


Relembre o caso
A morte ocorreu no dia 28, mas o caso só se tornou público dois dias depois, após denúncias pelas redes sociais. O inquérito foi aberto no dia 3, quando o corpo da cadela já havia sido cremado — o que deixou a polícia sem possibilidade de ter um laudo da necropsia.

Sangrando após ter sido atingida pelo funcionário no estacionamento do mercado, a cadela foi capturada com um enforcador pela equipe do Centro de Zoonoses, acionada para o resgate. A cadela chegou a desfalecer durante o procedimento, informou o Carrefour em meio à polêmica.

Socorrido, o animal não resistiu e morreu em seguida. Na ocasião da captura, havia a informação de atropelamento, e não maus-tratos. Com isso, o corpo foi incinerado, procedimento padrão da prefeitura em casos assim.

Sem necropsia, não houve laudo para atestar a causa da morte. O inquérito foi baseado em depoimentos e imagens de câmera de segurança. A cadela, que vivia no mercado havia alguns dias e era alimentada por alguns funcionários. O Carrefour afastou o funcionário terceirizado assim que o caso veio à tona e afirmou repudiar maus-tratos e colaborar com as investigações.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: