Rompimento da barragem aconteceu nesta sexta-feira (25) em Brumadinho, MG
Rompimento da barragem aconteceu nesta sexta-feira (25) em Brumadinho, MGFoto: Douglas Magno/AFP

Bombeiros iniciaram a evacuação de comunidades de Brumadinho na manhã deste domingo (27) após a constatação de que uma quarta barragem da Vale apresenta risco iminente de rompimento.

O alarme de aviso sobre rompimento de barragem soou às 5h30. A evacuação será feita em áreas de risco, próximas ao leito do rio Paraopeba e às áreas já atingidas por lama. As comunidades Tejuco e Córrego do Feijão serão evacuadas.

"Como medida preventiva, a comunidade da região está sendo deslocada para os pontos de encontro determinados previamente pelo Plano de Emergência", informou a Vale em nota.

Os bombeiros informaram que deverão ser evacuadas 350 pessoas. As famílias serão levadas para a parte mais alta do núcleo urbano ou deslocadas para outras localidades na região de Brumadinho.

A barragem, de nome B6, é composta por água e estava sendo drenada pela Vale para diminuir o risco de rompimento. Entre 20h de sábado (26) e 4h deste domingo, os resgates foram interrompidos para que a drenagem fosse intensificada.

Leia também:
Vale aciona sirenes às 5h30 deste domingo e retira moradores do local
Vale divulga lista de funcionários que ainda não entraram em contato


O volume de água a ser drenado nesse período e que portanto desceria pelo rio Paraopeba seria mais que o triplo do que vinha sendo drenado até então.

Os trabalhos de resgate estão suspensos. Todo o efetivo do Corpo de Bombeiros está empenhado na evacuação. Uma das áreas prioritárias é Parque da Cachoeira, onde há 25 casas em risco.

Oficialmente, a lista de mortos chegou a 37 pessoas, segundo os Bombeiros. Ao menos 256 continuavam desaparecidos, ainda de acordo com a corporação. Foram resgatadas 192 pessoas, das quais 23 estão hospitalizadas.

O rompimento da barragem da mineradora Vale em Brumadinho liberou 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos, que entraram no rio Paraopeba. A estimativa é a de que esse volume represente um quarto do que foi liberado no acidente com a barragem de Fundão, em Mariana, que pertencia à Samarco, empresa controlada pela Vale e pela BHP Billiton. Outras duas barragens transbordaram.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: