Julgamento dos "Canibais de Garanhuns"
Julgamento dos "Canibais de Garanhuns"Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Cinco homens e duas mulheres formam o júri popular de Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, Isabel Cristina Pires da Silveira e Bruna Cristina Oliveira da Silva, que ficaram conhecidos como “os Canibais de Garanhuns”. A sessão ocorre nesta sexta-feira (14) na 1ª Vara do Tribunal do Júri da Capital, no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, na Ilha de Joana Bezerra, na área central do Recife. Segundo o advogado de defesa de Bruna Cristina, Rômulo Lyra, a ré irá trazer novos relatos ainda não contados.

"Ela tinha um amor platônico por Jorge e um desejo incondicional de querer defendê-lo. Após ver ele a acusando no julgamento [ocorrido no fórum de Olinda em 2014] de várias coisas, ela caiu em si e começou a me relatar coisas bárbaras e absurdas que ela está disposta a contar hoje", detalhou o advogado.

Leia também:
'Canibais de Garanhuns' vão a júri popular nesta sexta
Defesa abandona plenário e julgamento dos 'Canibais de Garanhuns' é adiado


"Nossa tese para a defesa será a coação moral irresistível, que afasta a culpabilidade dela e acusa apenas o co-autor, que é o Jorge. Ele é o mentor, o mandante e o executor dos crimes", acrescentou. A defesa de Bruna tentará livrá-la da culpa, mas, caso não consigam, vão pedir redução de pena.

Para o advogado de Jorge, Giovanni Martinovick, a preocupação da defesa é apelar ao júri pela doença do réu. "Jorge é um homem doente e que não está mais apto a viver em sociedade. O nosso pedido será a medida de segurança para que ele fique internado fazendo tratamento psiquiátrico", afirmou.

Segundo o promotor do Ministério Público André Rabelo, a promotoria está tranquila e houve um bom tempo de preparação para analisar o processo. Para o promotor, as teses de sanidade mental e coerção, usadas pela defesa, não se sustentam. "Eles gravaram um programa de televisão e se vê claramente que são lúcidos e têm absoluto controle das ações. Cada um tinha um papel pré-determinado na execução dos crimes. Todos participavam do esquartejamento e do consumo de carne humana, além de comercializá-la".

Os três serão julgados por duplo homicídio triplamente qualificado, ocultação e vilipêndio de cadáver e furto qualificado. Jorge e Bruna respondem ainda por estelionato. Bruna Cristina é julgada também por uso de falsa identidade. Nesta sessão, eles serão julgados pelos crimes cometidos contra Gisele Helena da Silva, de 30 anos, e Alexandra da Silva Falcão, de 20.

Os réus já possuem condenação por outros crimes cometidos contra Jessica Camila da Silva Pereira. Na qual o réu, Jorge, foi condenado a 21 anos e 6 meses de prisão e mais 1 ano e 6 meses de detenção. E as rés Bruna e Isabel Cristina, a 19 anos de reclusão e 1 ano de detenção.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: