Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão
Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando PezãoFoto: Agência Brasil/Arquivo

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, admitiu nesta quarta (14) que houve falhas no planejamento da segurança durante o Carnaval, quando uma série de arrastões gerou pânico na zona sul da cidade. "Não estávamos preparados. Houve uma falha nos dois primeiros dias e depois a gente reforçou aquele policiamento. Mas eu acho que houve um erro nosso", disse Pezão, em entrevista ao RJTV, da Rede Globo.

Durante o carnaval, houve diversos ataques a turistas e moradores de Ipanema, na zona sul. No domingo (11), dois policiais foram baleados ao tentar impedir o roubo de um carro no Leblon.

Leia também:
[Fotos] Centenário do Cordão da Bola Preta emociona multidão no Rio
Rio: Sambódromo recebe grandes campeãs nesta segunda


Na terça (13), a Polícia Militar anunciou reforço no efetivo na região. Ainda assim, houve saque a um supermercado no Leblon. Os suspeitos fugiram. "Não dimensionamos isso, mas eu acho que é sempre um aprimoramento", continuou Pezão, ressaltando que o governo precisa olhar a segurança em todo o Estado.

No início do carnaval, havia reforço do efetivo na Rocinha, que viveu uma guerra no fim de 2017, e operações na Praça Seca, na zona oeste, confrontos entre bandidos resultaram na morte de uma adolescente de 15 anos. Segundo a Secretaria de Segurança, o efetivo para o carnaval foi de 17 mil policiais, número 43% superior ao registrado no ano anterior. O carnaval terminou com três vítimas fatais na corporação.

O soldado André Luiz Xavier Barbosa, 33, foi atropelado enquanto fazia o patrulhamento no Jardim Botânico, na zona sul, e outros dois policiais - Fábio Miranda da Silva, 41, e Dejair Jardim do Nascimento, 29 - foram baleados em assaltos.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: