Forças Armadas atuando na RMR
Forças Armadas atuando na RMRFoto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A Operação Leão do Norte, comandada pelo general de Brigada Francisco Humberto Montenegro Junior, já conta com mais de 1,5 mil militares das Forças Armadas atuando na Região Metropolitana do Recife. O objetivo é que eles atuem na Garantia da Lei e da Ordem. A operação começou às 18h dessa sexta-feira (9) após pedido do governador do Estado, Paulo Câmara, ante à possibilidade de greve dos bombeiros e policiais militares. A previsão é que a operação termine no próximo dia 19.

Leia mais
Forças Armadas a postos para garantir segurança na RMR
TJ estabelece aumento para R$ 500 mil de multa contra policiais de PE

Segundo o general Montenegro, a tropa que ele comanda atuará em duas fases. "Ontem (sexta) à noite, já lançamos um efetivo de 400 militares no patrulhamento da RMR. Até o fim da tarde de hoje, serão 1.540 militares atuando. Na segunda fase, que será concretizada até o final da tarde de amanhã (domingo), concluiremos o emprego de 3,5 mil militares na Área Metropolitana", comentou.

Ainda segundo o general, o objetivo é proporcionar a segurança esperada para a sociedade pernambucana. Estão sendo enviadas tropas do Exército da Paraíba, Piauí, Alagoas, Sergipe, Bahia e Rio Grande do Norte. A operação também conta com militares da Marinha e Aeronáutica. A Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Civil continuam atuando, mas subordinadas ao Comando Militar do Exército. As Forças Armadas poderão revistar, autuar em flagrante e fazer o patrulhamento intensivo.

Segundo o secretário de Defesa Social, Ângelo Gioia, a Região Metropolitana do Recife foi escolhida porque o Governo do Estado entendeu que esta é a área mais crítica e que gera mais preocupação. O secretário também comentou sobre a assembleia realizada pelos policiais e bombeiros militares e disse que o ato é ilegal "Eles sabem que a greve é ilegal. Então, o que decidiram ontem foi óbvio e evitaram um embate desnecessário", comentou.

Ainda segundo Gioia, as prisões durante a assembleia foram em flagrante por prática de crime militar. Uma audiência de custódia será realizada nesta tarde, no plantão do Tribunal de Justiça de Pernambuco. 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: