Dia Internacional da Mulher Afro Latina-Americana e Caribenha e Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra
Dia Internacional da Mulher Afro Latina-Americana e Caribenha e Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher NegraFoto: LEO MOTTA // ARQUIVO FOLHA

Uma data para resistir e lutar. Esse é o marco do Dia Internacional da Mulher Afro Latina-Americana e Caribenha e do Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra celebrados nesta quarta-feira (25), mas que conta com uma programação até o fim deste mês.

Essa é uma data de denúncia. A mulher negra tem demandas e aspirações específicas. Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) mostram que, dos 25 países com maior índice de violência contra a mulher negra, 15 estão localizados na América Latina e no Caribe”, afirmou a coordenadora do GT Racismo do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), a procuradora de Justiça Maria Bernadete Azevedo.

Leia também:
Marta se torna embaixadora da ONU Mulheres
Campanha pede inclusão de pessoas em situação de rua no censo do IBGE

As integrantes do Comitê de Mulheres Negras Metropolitanas (CMNMPE) da Secretaria Estadual da Mulher participam nesta terça-feira, das 8h30 às 18h, no pátio de São Pedro, no Bairro de São José, da I Feira da Ancestralidade Negra promovida pela Prefeitura do Recife. Na ocasião estarão representantes de organizações da sociedade civil do Comitê que trabalham com artesanato afro, de material reciclável e outros, além de divulgação de material informativo e das ações do Comitê para o mês de julho. “Essa é uma data estratégica que vem para reforçar a luta contra o racismo e o sexismo, dando visibilidade a essa parcela da população feminina, às suas conquistas, assim como os desafios que ainda precisam enfrentar decorrentes da discriminação de raça e gênero”, pontuou a subcoordenadora Regional da RMR da Secretaria da Mulher, Fabiana Jansen.

No local, também haverá uma roda de diálogo sobre os impactos do racismo na saúde da mulher negra e oferta de alguns serviços, como teste de glicemia, aferição de pressão arterial, vacinação, distribuição de preservativos masculino e feminino e testes rápidos de HIV, sífilis e hepatites B e C. O mamógrafo móvel ficará estacionado no Pátio, com a oferta de 80 fichas (40 cada turno) para a mamografia. Podem fazer o exame mulheres com idade entre 50 e 69 anos, mas é preciso levar documento de identificação, cartão do SUS e comprovante de residência. 

Números
E por que levantar esse debate? De acordo com o Mapa da Violência 2016, o feminicídio de mulheres negras aumentou 54% em dez anos no Brasil. Quando se trata de violência doméstica, o número de mulheres negras corresponde a 58,68%. “Quando trazemos a mulher negra para o recorte territorial do Nordeste, podemos ver que ainda existe muita desigualdade, e o dia 25 serve para colocar essas pautas visíveis, para que as políticas públicas de saúde, educação e empregabilidade sejam vistas com mais atenção”, alerta Taisa Silveira, da Rede de Mulheres de Pernambuco. A instituição, inclusive, promoverá, nesta quarta-feira (25), o debate público “Mulheres Negras nas Eleições 2018: Movendo Pernambuco e o Brasil”, às 18h, no Sindsep, localizado na Rua João Fernandes Vieira, nº 67, no bairro da Boa Vista.

Também nesta quarta-feira, o Comitê de Mulheres Negras aportará no Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), na programação da Praça da Palavra, que contará com a presença de Maria de Fátima Barros, liderança do Quilombo 11 Negras, e Odailta Alves, poetisa, escritora e gestora pública. 
 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: