As deficiências para receber os foliões foram mostradas pela Folha na edição de ontem
As deficiências para receber os foliões foram mostradas pela Folha na edição de ontemFoto: Rafael Furtado

Depois do domingo de superlotação e problemas de infraestrutura nas prévias do Carnaval de Olinda, a prefeitura revisará o esquema de controle urbano e mobilidade para os próximos fins de semana. A reunião para definir os efetivos será feita nesta quinta-feira (10), três dias antes do desfile da Pitombeira, que deve arrastar uma nova multidão no Sítio Histórico.

As deficiências para receber os foliões em Olinda, que tiram o sossego dos moradores, foram mostradas pela Folha de Pernambuco na edição do último domingo (6). A falta de banheiros químicos foi uma das grandes queixas. Sobre isso, a Prefeitura de Olinda anunciou que disponibilizará cerca de 60 equipamentos pelas ruas como medida emergencial.

Leia também:
Prévias em Olinda têm segurança reforçada
Carnaval do Recife homenageia sambistas em 2019


A justificativa para os atropelos seria a não obrigatoriedade da administração em prover esse tipo de estrutura fora do período que eles classificam como oficial das prévias, que inicia um mês antes da folia. “Estas são prévias não oficiais porque o período de prévias carnavalescas é previsto em lei e começa um mês antes do Carnaval. Não é que eles estejam irregulares, até porque toda agremiação e grupo cultural têm o direito constitucional de ensaiar e se apresentar onde quiser, mas o poder público, para fins de viabilização de infraestrutura, também tem a previsão legal para a contratação”, disse o secretário de Patrimônio, Cultura, Turismo e Desenvolvimento Econômico de Olinda, João Luiz.

O gestor destacou que havia uma infraestrutura mínima montada no Sítio Histórico nos últimos fins de semana, mas que a superlotação do último domingo chamou atenção para a necessidade de revisão do esquema. No entanto, não deve ser montado algo que se compare ao que deve ser feito para fevereiro e março, quando começa a valer o decreto de período carnavalesco. Com relação aos banheiros, no último domingo havia 28, de acordo com ele. O número será dobrado. Já as campanhas contra o xixi em via pública e a coibição por parte de agentes municipais somente no Carnaval.

Para agora, como urinar na via pública é contravenção penal, caberia à PM intervir na questão, ressaltou o secretário. Procurada, até o fechamento desta edição, a corporação não respondeu à reportagem. Segundo João Luiz, é impossível para Olinda a geração de despesas com organização de festejos por tantos meses. “Há uma diretriz do prefeito Lupércio de que não se faça nenhum tipo de investimento com dinheiro público para questões do Carnaval em detrimento da saúde, educação e tantas outras.”

Sobre a ausência de guardas de trânsito, o secretário confirmou que muitos agentes estavam de folga depois de escalas extras no Natal e Réveillon e que o quadro será normalizado neste fim de semana. Já sobre a possibilidade de interdição ao acesso de veículos à Cidade Alta, o gestor disse que era inviável. Um dos representantes da Sociedade Olindense de Defesa da Cidade Alta (Sodeca), Edmilson Cordeiro, comentou que a falta do decreto da formalização de início de Carnaval não deve gerar desobrigação da gestão com a cidade.

Segundo ele, o período sempre gera certa apreensão na população do Sítio Histórico, seja pelos transtornos pessoais e de patrimônio, seja pelo temor de descaraterização da festa. Amanhã haverá a apresentação do planejamento da folia 2019 para os moradores da área.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: