O delegado responsável pela investigação, João Gustavo Godoy, comentou o caso
O delegado responsável pela investigação, João Gustavo Godoy, comentou o casoFoto: Divulgação/Polícia Civil

Cinco pessoas foram presas suspeitas de furtos por meio de fraudes bancárias, estelionato, lavagem de dinheiro e organização criminosa durante a operação Chargeback, deflagrada nessa quinta-feira (5) pela Polícia Civil de Pernambuco (PCPE). O saldo da operação foi detalhado em coletiva de imprensa realizada nesta sexta-feira (6), no Recife.

De acordo com a polícia, a quadrilha é formada por hackers que cometiam fraudes em cartões de crédito no Recife e em Olinda, Paulista e Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana. As investigações apontam que apenas três dos suspeitos presos obtiveram lucro de aproximadamente R$ 6 milhões. Os crimes eram cometidos tanto no Brasil, quanto no exterior.

Leia também:
Operação mira hackers suspeitos de fraudes em cartões
Operação da Polícia Federal combate corrupção nos Correios
Operação mira irmãos de Olinda suspeitos de integrar esquema de roubo de cargas


Os presos, identificados pela Polícia Civil como Nyedja Tatyane Pereira Alves, André Rios de Melo, Nuno Filipe Tinoco Alves, João Batista da Silva Junior e Guilherme Augusto Moller, eram chefiados por Hugo José Santos Pereira Lima, que comandava a quadrilha de dentro de um presídio do Estado.

Segundo o delegado responsável pela investigação, João Gustavo Godoy, vários estabelecimentos bancários denunciaram ataques a clientes onde valores estavam desviados das contas correntes.

“Identificamos que essa quadrilha acessava e tomava conta de dispositivos eletrônicos de clientes, furtando milhas aéreas e clonando cartões de crédito. Esse roubo de dados iniciava a partir da prática do “fish”, que é quando a vítima clica em links que aparecem no e-mail, ou em aplicativos, se passando por bancos ou por estabelecimentos comerciais permitindo que vírus entrem no computador, por exemplo, remetendo informações para a quadrilha que agia também nos Estados Unidos e na Europa”, afirmou o delegado.

Ainda de acordo com o delegado, com as informações, os criminosos tinham acesso aos aplicativos do banco dos usuários, mudavam o endereço e o telefone e faziam transferências para a conta de terceiros que também estão sendo investigadas. “Tem gente fora do País atuando. Eles ostentavam, viajavam na classe executiva, faziam festas em lanchas. As contas dos suspeitos foram bloqueadas e vamos tentar indiciá-los no maior número de crimes possíveis. Em apenas dois ataques, eles conseguiram desviar R$ 889 mil. Em outro ataque, o desvio foi de R$ 700 mil”.

Durante a operação foram expedidos oito mandados de prisão e 24 mandados de busca e apreensão. Alguns alvos já haviam sido presos anteriormente por crimes semelhantes. Foram apreendidos computadores, smartphones, cartões de crédito entre outros aparelhos eletrônicos. A operação envolveu um contingente de 130 policiais civis.

Nyedja Tatyane foi encaminhada para a Colônia Penal Feminina do Recife, no bairro da Iputinga, Zona Oeste da Capital. Já André Rios de Melo, Nuno Filipe Tinoco Alves, Joao Batista da Silva Junior e Guilherme Augusto Moller foram encaminhados para o Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife, onde ficam à disposição da Justiça.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: