Jussara Paes foi condenada pela morte do marido
Jussara Paes foi condenada pela morte do maridoFoto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A farmacêutica Jussara Rodrigues, de 55 anos, foi condenada a 19 anos e 8 meses de prisão pelo homicídio triplamente qualificado e ocultação do cadáver do seu marido, o médico cardiologista Denirson Paes, cometido em maio de 2018. A sentença proferida pela juíza Marília Falcone saiu no início da tarde desta terça-feira (5) após pouco mais de 17 horas de júri no Fórum de Camaragibe, Região Metropolitana do Recife. O júri foi composto por cinco mulheres e dois homens.

A sentença considera 17 anos e 9 meses de reclusão pelo homicídio e mais 1 ano e 11 meses pela ocultação do cadáver de Denirson. Jussara, que está presa desde julho de 2018, continuará cumprindo a pena em regime fechado.

Leia também:
Irmão de Denirson acredita que assassinato foi motivado por dinheiro
Defesa de Jussara diz que testemunhas mentiram perante júri

O advogado de defesa da ré confessa afirmou em plenário que irá recorrer da condenação. "Teve tudo [nesse julgamento], testemunha comprada, isso vai ser investigado. A gente juntou nos autos uma testemunha ocular arrolada pela defesa que provava todas as agressões que Denirson fazia. Ela apenas rodeava, rodeava, a defesa perguntava e ela não disse nada", disse o advogado de defesa, Rafael Nunes. "A sentença estava pronta. Os jurados saíram para condenar", continuou. Após saber da condenação, Jussara teria chorado bastante, segundo o advogado.

O advogado da acusação, Carlos André Dantas, considerou a sentença justa e disse que a defesa deve comprovar que houve compra de testemunha. “Não teve um voto do Conselho de Sentença que fosse contrário à tese da acusação. Isso demonstra que o conselho reconheceu todo o trabalho feito pela polícia, pelo Ministério Público e por mim, que estou auxiliando. Eu pedi à juíza para encaminhar um pedido de diligência para apurar isso [suposta compra de testemunha] porque eu quero que o advogado prove. Se ele não provar, vai responder com a sua cliente”, afirmou.

Relembre o caso
O cadáver do médico cardiologista Denirson Paes foi encontrado em 4 de julho de 2018 dentro de uma cacimba da casa onde morava, no condomínio de luxo Torquato de Castro I, localizado no km 13 da Estrada de Aldeia, em Camaragibe, Região Metropolitana do Recife. O desaparecimento do médico vinha sendo investigado desde o início de junho.

Em um Boletim de Ocorrência registrado em 20 de junho sobre o desaparecimento do marido, a farmacêutica Jussara Rodrigues Silva Paes alegava que a vítima teria viajado para fora do País e que não teria retornado desde então. A delegada Carmem Lúcia, de Camaragibe, desconfiou do envolvimento dos familiares e solicitou um mandado de busca e apreensão no condomínio em que eles moravam.

Na busca policial, realizada em 4 de julho, foram encontrados os primeiros restos mortais do médico na cacimba da residência. Para a polícia, havia indícios suficientes da participação de mãe e filho na ocultação do corpo de Denirson, Danilo. Em 5 de julho, Jussara e Danilo foram presos temporariamente suspeitos de ocultação de cadáver.

Danilo foi encaminhado para o Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everaldo Luna (Cotel), em Abreu e Lima. Jussara foi levada para a Colônia Penal Feminina do Recife. Em 20 de agosto, um laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou asfixia por esganadura como a causa da morte do cardiologista. Os três pedidos de habeas corpus feitos pela defesa de Jussara. Em dezembro passado, Danilo recebeu habeas corpus, obtendo liberdade.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: