Tecnologia é importante aliada no processo de aprendizagem
Tecnologia é importante aliada no processo de aprendizagemFoto: Gil Menezes/Divulgação

Usar aplicativos como um recurso didático e de fácil estímulo aos estudantes tem se tornado um importante aliado no processo de aprendizagem, segundo educadores. No entanto, a realidade brasileira mostra que é preciso investir mais na interação entre tecnologia e ensino. De acordo a pesquisa anual Tecnologia de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras (TIC Brasil), entre 37% dos alunos de escolas públicas e 50% dos alunos de escolas particulares é comum o uso do computador e da internet para a realização de tarefas dentro do ambiente escolar.

O estudo aponta ainda que 36% dos professores de escolas públicas tiraram dúvidas on-line, enquanto chega a 66% entre os professores de escolas particulares. Para a doutora em educação Wanda Cardoso, atualmente, não dá mais para pensar em uma sala de aula sem uso de tecnologias digitais.

Leia também:
Tecnologia e cultura unidas pela educação
Pesquisa: número de jovens no ensino médio aumenta 61% em 6 anos


"Estamos na era da nanotecnologia. Os estudantes já não reconhecem muito o computador como ferramenta principal. É o smartphone que eles enxergam como uma ferramenta multiuso que pode ser usada para o lazer e o ensino. Professores e demais profissionais de educação devem reconhecer a importância do uso do celular em sala de aula de forma pedagógica, até para trabalhar o letramento digital", comenta.

Wanda, que também é técnica formadora da Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Fundamental da Secretaria Estadual de Educação, explica que todos precisam estar atentos às mudanças não apenas os docentes. "Já ouvi relatos de pais que foram na escola reclamar porque o filho estava usando o smartphone ao invés do livro para fazer atividade escolar. Isso mostra que a sociedade precisa estar aberta aos novos métodos de ensino", diz. Ela afirma que, desde 2018, o Governo do Estado está atento a essa nova realidade. "Desde o ano passado estamos alinhados com o novo currículo de Pernambuco sob a luz da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que vem com a proposta de trabalhar gêneros digitais em sala de aula."

Na rede privada de ensino, um bom exemplo fica a cargo do trabalho desenvolvido pela Safetec, representante certificada da Google for Education no Norte e Nordeste. Por meio da plataforma G Suite for Education são utilizados, por exemplo, aplicativos voltados para aumentar a interação entre alunos e professores, dinamizando a educação e oferecendo soluções de ensino. Outras ferramentas como estas estão ao alcance de professores e alunos com apenas alguns cliques. "São disponibilizadas ferramentas capazes de explorar todas as possibilidades de comunicação, interação, colaboração e gestão de atividades, com soluções específicas para a sala de aula", destaca o CEO da Safetec, Antonio Lapa.

O CEO ressalta que o perfil atual de um aluno é muito diferente de alguns anos atrás. "A metodologia de ensino não passou por mudanças tão significativas para acompanhar esta evolução. Assim, a educação ficou cada vez mais desconectada do universo dos alunos e professores.” Ele diz ainda que o caminho para romper essa lacuna é agregar o uso das tecnologias de forma natural aos ambientes educacionais para conectar melhor quem ensina e quem aprende. "Entendemos que o ensino precisa ser mais colaborativo, participativo, tornando o aluno protagonista. Com base nessas premissas, a Google vem desenvolvendo tecnologia que consegue ter maior aderência a essa nova dinâmica de aprendizado", acrescenta.

Antes de criar a tecnologia, o Google fez pesquisas para entender as necessidades dos professores e alunos. Os resultados deram origem a uma tecnologia mais interativa e experimental, colaborativa, personalizada, orientada a projetos autogerenciados, assim como a equipamentos especialmente desenvolvidos para tal, como os Chromebooks. Em Pernambuco, instituições como a Universidade Católica de Pernambuco e o Colégio Damas utilizam essa tecnologia no ambiente de ensino.

"Estamos diante de uma geração que funciona melhor com a tecnologia. Quando a gente traz isso para dentro da sala de aula, a aprendizagem acontece de forma mais eficiente", conta Ana Lúcia Arteiro, coordenadora do Damas. Para o aluno do 7º ano Silvio Guedes, os Chromebooks ajudaram a melhorar o desempenho não só em sala de aula, mas também o meio-ambiente. “A gente usa a tecnologia de uma forma que não vai precisar de papel e lápis, ou seja, salvamos milhões de árvores."

veja também

comentários

comece o dia bem informado: