Queimadas no Mato Grosso
Queimadas no Mato GrossoFoto: Secom/MT/Mayke Toscano

Com cerca de um milhão de hectares destruído pelas queimadas em pouco mais de um mês em Mato Grosso do Sul, o governo estadual decidiu decretar situação de emergência em publicação prevista no Diário Oficial para esta quinta-feira (12).

A maior parte da área atingida abrange municípios do Pantanal, região que já enfrenta 45 dias de estiagem.

Na terça, o governador do Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), também decretou situação de emergência no estado devido ao aumento nos incêndios florestais.

De todo o país, o município de Corumbá, em Mato Grosso do Sul, é o que concentra o maior número de focos de incêndio neste mês, num total 634, conforme dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Especiais). Somente na quarta-feira (11), foram 254 pontos de calor registrados, o maior índice nacional.

Leia também:
Mato Grosso decreta situação de emergência por causa de queimadas
Israel desiste de enviar material contra queimadas, mas manda especialistas

Durante todo o mês, foram 1.579 focos de incêndios no estado, sendo o maior índice já registrado desde 2008. Segundo o coordenador do Prevfogo, Márcio Yule, o recordista em incêndios foi o ano de 2007, com 5.380 focos no pico da estiagem, em setembro.

Neste ano os focos de incêndio começaram a se intensificar em agosto, e a situação ficou mais grave por conta do longo período de estiagem, com baixa umidade e altas temperaturas, que ultrapassaram os 40 ºC em alguns municípios.

Dados do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) indicam que, de 1º de agosto a 9 de setembro, os incêndios consumiram 1.027.041,20 hectares no estado.

Segundo Yule, o Prevfogo, órgão ligado ao Ibama, está com equipes nas áreas consideradas mais críticas: região de Corumbá, na terra indígena Kadwéu (localidada na Serra da Bodoquena), nas aldeias Limão Verde e Taunay/Ipegue, em Aquidauana e em Miranda, próximo do Refúgio Ecológico Caiman que, na terça-feira (10), registrou incêndio de grandes proporções.

De acordo com o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico e Produção, Jaime Verruck, as equipes do Corpo de Bombeiros estão em alerta máximo, com escala operacional com cerca de 250 militares em ações de combate em todo o Mato Grosso do Sul. O trabalho ainda envolve os brigadistas treinados nas aldeias e áreas de preservação, além da equipe do Prevfogo.

Agora, com o decreto, o governo estadual quer apoio do Ministério da Integração Regional e do Exército no combate aos incêndios. O reforço militar seria a utilização de aeronave Hércules C130, da Força Aérea, estudo que está sendo feito pela Sala de Situação Integrada, grupo montado desde o aumento das queimadas e será enviado ao Ministério da Defesa.

Para Márcio Yule, a situação é preocupante. "Serão mais dez dias de calor de grande intensidade". Além disso, o prognóstico é pouco animador até outubro.

Segundo o meteorologista da Estação Anhanguera/Uniderp Natálio Abrãao, há previsão de chuva a partir do dia 18, mas de pouca intensidade e somente para região sul do Estado. Somente a partir do dia 22, já na primavera, é que os índices vão aumentar, com previsão de tempestades e ate enchentes, mas que podem não ser suficientes. "Volume de chuva pode ser grande, mas não o esperado para resolver o problema".

veja também

comentários

comece o dia bem informado: