Elcio Viana e Ronnie Lessa
Elcio Viana e Ronnie LessaFoto: Divulgação/Polícia Militar

O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) identificou em relatório que o policial reformado Ronnie Lessa, suspeito de matar a vereadora Marielle Franco em março do ano passado, recebeu em sua conta um depósito de R$ 100 mil em espécie sete meses após o crime.

Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz foram presos na terça-feira (12), acusados de terem assassinado a vereadora e o motorista Anderson Gomes - eles negam.

Leia também:
Caso Marielle é exemplo de como tecnologia pode ajudar a solucionar crimes
Acusados por morte de Marielle são mantidos presos pela Justiça


O relatório do Coaf foi citado pelo Ministério Público em um pedido de bloqueio dos bens dos dois suspeitos, aceito pela Justiça. O objetivo é garantir o ressarcimento das vítimas. A informação foi adiantada pela Globonews e confirmada pela Folha.

Presos na Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, Lessa e Queiroz serão transferidos, a pedido do Ministério Público, para um presídio federal, fora do estado.

A próxima fase da investigação do assassinato de Marielle terá como objetivo responder se havia um mandante por trás do crime e quais são suas motivações. O assassinato completou um ano nesta quinta-feira (14).

Atos marcam um ano da morte
A frase que se notabilizou no último ano, "quem matou Marielle?", se transformou na quinta-feira (14). A pergunta que se espalhou por cidades do Brasil e do exterior foi "quem mandou matar Marielle?".

A frase está em placas e faixas que lembram o um ano da morte da vereadora Marielle Franco e Anderson Gomes, ocorrido em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro. As intervenções fazem parte dos atos "Amanhecer por Marielle".

Em São Paulo, faixas foram colocadas na avenida Rebouças, na altura do Hospital das Clínicas, e placas de rua foram cobertas com adesivos com os dizeres "Marielle Presente" e "Avenida Quem Mandou Matar Marielle?".

As trocas de placas ocorreram nas esquinas da avenida Paulista com a Consolação, da rua Augusta com a avenida Paulista e na esquina das alamedas Barão de Limeira e Eduardo Prado, além da estação de metrô Ana Rosa.

Por volta das 17h, milhares de pessoas, munidas de cartazes, blusas e adesivos com o rosto de Marielle, começaram a se reunir na praça Oswaldo Cruz, na Bela Vista (região central da capital), para prestar homenagens à vereadora e cobrar respostas de autoridades sobre o crime.

Em Brasília, dez minutos depois de deputados do PSOL e outros partidos de esquerda começarem um ato em homenagem a Marielle Franco nesta quinta, colegas de direita entraram no mesmo Salão Verde da Câmara para protestar contra a violência animal.

Oito deputados federais, entre eles Daniel Silveira (PSL-RJ), que rasgou a placa com o nome de Marielle, posicionaram-se a poucos metros com caixas de som que emitiam latidos. Sorridentes, eles posaram para fotos segurando cartazes pedindo reclusão para perpetradores de maus-tratos e o desenho de um cachorro.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: