Rastro de destruição do Irma na Flórida
Rastro de destruição do Irma na FlóridaFoto: Mark Wilson/AFP

O Irma, maior furacão já registrado no Atlântico, deixou um rastro de destruição no Caribe e nos Estados Unidos. O fenômeno chegou a registrar ventos de 297 km/h e a Agência Espacial Americana (Nasa), em uma de suas contas na rede social Twitter, publicou imagens que resumem sua formação e passagem pelo Golfo do México em um período de dez dias.

Até agora o Irma deixou cerca de 3,5 milhões de moradores da Flórida sem eletricidade. No Caribe, os residentes tentam voltar à normalidade apesar dos enormes danos de infraestrutura, enquanto Estados Unidos, França, Holanda e Reino Unido buscavam ajudar seus territórios de ultramar, gravemente afetados.

Leia também:
Saiba como são escolhidos os nomes dos furacões
Irma perde força e população começa a receber ajuda


Nas imagens da Nasa é possível ver o furacão se formando, atravessando o Caribe e chegando à Flórida, em uma trajetória que deixou 38 mortos nas ilhas caribenhas e seis nos EUA. 



veja também

comentários

comece o dia bem informado: