Evo Morales, ex-presidente da Bolívia
Evo Morales, ex-presidente da BolíviaFoto: HO / Bolivian Presidency / AFP

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales pediu nesta quinta-feira (14) ao papa Francisco e à Organização das Nações Unidas (ONU) que intercederam para "pacificar" o país em convulsão. Asilado no México, Morales condenou o governo dos Estados Unidos (EUA) por "reconfirmar o governo de fato".

"Peço que organizações internacionais como a ONU, países amigos da Europa e instituições como a Igreja Católica (...) para nos acompanhar no diálogo para pacificar nossa querida Bolívia", escreveu o ex-presidente em um tuíte. "A violência ameaça a vida e a paz social", acrescentou.

Pouco antes, Morales havia condenado a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, "de reconhecer o governo de fato e autoproclamado pela direita". "Depois de impor [Juan] Guaidó [presidente do Parlamento da Venezuela], ele agora proclama [Jeanine] Áñez [na Bolívia]. O golpe que causa a morte de meus irmãos bolivianos é uma conspiração política e econômica que vem dos Estados Unidos", afirmou.

Leia também:
Evo Morales diz que está disposto a voltar à Bolívia
Evo Morales acusa OEA de fazer parte do golpe de Estado na Bolívia


Evo Morales renunciou à presidência da Bolívia no domingo passado (10) e denunciou um golpe de estado "político, cívico e policial" contra ele. Horas depois de renunciar, viajou para o México, graças a um asilo político concedido pelo governo de Andrés López Obrador.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: