Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair BolsonaroFoto: Sergio LIMA / AFP

O presidente Jair Bolsonaro comemorou nesta quarta-feira (15) a intenção dos Estados Unidos de formalizarem o apoio ao ingresso do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) no lugar da Argentina.

Na entrada do Palácio do Alvorada, ele disse que se a iniciativa dependesse apenas do apoio pessoal do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o Brasil já teria ingressado na entidade comercial.

"Não posso falar em prazo. Não é apenas do Trump, [se dependesse] do Trump eu já estava lá. Depende de outros países também. E nós estamos vencendo resistência e mostrando que o Brasil é um país viável", disse o presidente. Segundo disseram interlocutores à Folha de S.Paulo, os americanos entregaram uma carta à organização internacional oficializando que querem que o Brasil seja o próximo país a iniciar o processo de adesão à entidade.

Leia também:
Em gesto a Bolsonaro, EUA apoiam candidatura do Brasil na OCDE no lugar da Argentina
EUA retiram do país 21 militares sauditas após confirmar terrorismo em ataque na Flórida
Para Fernández, relação com Brasil vai além de ideologias de conjuntura

Na prática, a ação americana significa que Washington defende que o Brasil ocupe a vaga que era da Argentina na fila de postulantes a um lugar no chamado clube dos países ricos. A candidatura do Brasil era costurada desde o governo Michel Temer. "A notícia foi muito bem-vinda. A gente vinha trabalhando há meses em cima disso, de forma reservada. São mais de cem requisitos para você ser aceito. Nós estamos bastante adiantados", disse. "E as vantagens para o Brasil são muitas, equivale ao nosso país entrar na primeira divisão", acrescentou.

Apesar do gesto de Trump representar um trunfo para Bolsonaro, o Brasil só efetivamente iniciará o trâmite de adesão à OCDE após o aval dos demais membros -atualmente são 36 países. Embora a entrada do Brasil conte com amplo apoio, novos integrantes não devem ser aceitos até que a OCDE conclua uma negociação sobre o seu ritmo de expansão. Os europeus, por exemplo, querem que mais países sejam aceitos, enquanto que os americanos advogam por uma ampliação mais moderada.

De acordo com pessoas que acompanham o tema, os Estados Unidos querem que o Brasil "fure a fila" e ocupe o local que era da Argentina. Até o final do ano passado a Argentina era governada pelo liberal Mauricio Macri, o que fortalecia o pleito do país pelo ingresso na OCDE.

Com a vitória do peronista Alberto Fernández, os americanos passaram a considerar que as novas autoridades em Buenos Aires deixaram de ver a entrada na organização como uma prioridade. Isso permitiu que a operação de troca fosse realizada.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: