Divórcio
DivórcioFoto: Rawpixel/Pixabay

A partir de agora, o divórcio de um casal em Pernambuco não precisa mais da concordância de ambas as partes. O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) aprovou o Provimento 06/2019 do chamado “divórcio impositivo”, divulgado nessa terça-feira (14) pelo Diário Oficial. Pernambuco é o primeiro estado do país a aprovar a medida, em decisão unânime, assinada pelo corregedor-geral do Tribunal de Justiça de Pernambuco, o desembargador Jonas Figueirêdo.

Leia também:
CNJ decide sobre auxílio-alimentação retroativo no TJPE
Tribunal Regional do Trabalho premia destaques no Estado
Noivos perdem bagagem às vésperas de casamento no Recife

O documento evita o processo de judicialização, já que, até então, era necessário o consentimento entre as duas partes do casal. Para dar início ao processo, basta o cônjuge comparecer ao cartório que registrou o casamento, acompanhado de um advogado ou defensor público, e requerer a averbação do divórcio.

Após isso, o outro membro do casal recebe a notificação em até cinco dias. Por ser um ato unilateral, entende-se a partilha de bens caso existam. Depois da notificação, a averbação acontece no prazo de cinco dias. No entanto, apenas cônjuges sem filhos  menores de idade, nascituros ou incapazes podem dar entrada no processo.

Em entrevista ao Portal FolhaPE, o desembargador deu algumas informações sobre o divórcio impositivo. “As pessoas mais carentes terão acesso ao divórcio, sem despesas. Vale para todo Estado, incluindo o interior. Todos os cartórios, civil ou do município, já estão recebendo a entrada do processo. Para dar entrada na separação, é necessário o Livro de Registro de Casamento que fica no cartório”, disse Jonas Figueirêdo. Ainda não há informações sobre os custos e se alguém já deu entrada no divórcio unilateral.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: