Retrato falado de suposto envolvido no caso das 'agulhadas'
Retrato falado de suposto envolvido no caso das 'agulhadas'Foto: Geraldo Moreira/ Rádio Folha

A Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) divulgou na manhã desta sexta-feira (8) o retrato falado de um suposto envolvido no caso em que foliões teriam sido expostos a picadas de agulhas durante o Carnaval. Mais de cem pessoas procuraram atendimento médico afirmando que haviam sido vítimas do agressor. De acordo a perícia, o homem deve ter em torno de 30 anos.

“Foi um trabalho muito minucioso feito por peritos papiloscopistas. Na noite de ontem, [quinta-feira (7)], durante três horas, uma das vítimas auxiliou nesse trabalho da perícia iconográfica que é o que chamamos de retrato falado”, afirmou o chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Joselito Kehrle Amaral.

Segundo a PCPE, cinco pessoas procuraram a Unidade Móvel instalada nesta quinta-feira , no Hospital Correia Picanço, no bairro da Tamarineira. “Há uma discrepância entre o número de pessoas que procuraram o hospital Correia Picanço em detrimento do número de pessoas que, formalmente, realizaram o BO na polícia. Apenas cinco pessoas formalizaram essas ocorrências”, relatou Kehrle.

Leia também:
Seringas são achadas em lixo em Paulista após 'agulhadas' no Carnaval
Polícia Civil monta unidade móvel para atender vítimas de 'agulhadas'
Polícia abre inquérito para apurar 'agulhadas' no Carnaval
Pacientes relatam como aconteceram 'agulhadas' no Carnaval do Grande Recife


Em depoimento prestado à polícia, duas pessoas foram enfáticas ao afirmar que foram perfuradas por seringa e chegaram a informar o dia e o local. Já as outras três procuraram a unidade móvel da polícia após a divulgação dos casos pela imprensa.

“Não podemos asseverar que mais de uma pessoa participou como também não podemos dizer que não houve a participação de mais pessoas. O que podemos afirmar é da participação deste indivíduo no retrato falado”, disse o chefe da PCPE.

As pessoas que reconheceram o indivíduo ou tiverem qualquer informação sobre o caso podem comparecer a qualquer uma das unidades de polícia e registrar o Boletim de Ocorrência ou ligar para Coordenação de Plantões, no telefone (81) 3182-6091.

Câmeras de videomonitoramento
Kehrle ainda afirmou que a polícia também está utilizando outra ferramenta para tentar chegar ao envolvido. “Através de câmeras de videomonitoramento, estamos tentando capturar, dentro dessas imagens, o autor desses fatos. Não é fácil, porque se trata de uma aglomeração, mas não podemos descartar qualquer ferramenta que auxilie a investigação."

A Unidade Móvel continuará instalada no referido hospital para atender possíveis vítimas. O crime de expor a vida de outra pessoa em risco por transmissão de moléstia grave, previsto no artigo 131 do Código Penal Brasileiro, prevê pena de reclusão em regime fechado, de até quatro anos, não descartando a hipótese do cometimento de crimes ainda mais graves.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: