Bruno Covas
Bruno CovasFoto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Sob aplausos de servidores, políticos e do governador João Doria (PSDB), o prefeito Bruno Covas (PSDB) retornou nesta segunda-feira (18) ao gabinete da Prefeitura de São Paulo. Ele não quis comentar a eleição à prefeitura em 2020 e disse que o próprio corpo ditará seu ritmo de trabalho à frente da gestão da cidade.

"Enquanto eu tiver dentro das minhas faculdades mentais e condições físicas, eu sou obrigado a ser prefeito", disse Covas em uma coletiva de imprensa. Covas afirmou ainda querer trabalhar o máximo possível para poder ocupar a mente.

O prefeito Bruno Covas passa pelo tratamento de um câncer no trato digestivo. Pelas recomendações médicas e para preservar a saúde, o prefeito deve evitar agendas externas com grandes aglomerações.

"Quimioterapia, além de derrubar o cabelo, derruba a imunidade. No meu caso, eu não tinha cabelo, preventivamente tirei a barba", brincou o prefeito.

Leia também:
Exame mostra redução de coágulo no coração de Bruno Covas
'Não tenho energia para trabalhar 14, 15 horas por dia, mas 8, 9 dá', brinca Bruno Covas ao falar de doença

Covas disse que poderia até gravar vídeos para que pudesse estar presente em eventuais inaugurações feitas pela prefeitura. "A ausência do prefeito não pode impedir a inauguração de uma UBS que vai atender à população", disse Covas.

O tucano agradeceu ainda as mensagens de amigos e cidadãos anônimos que lhe desejaram melhoras. O prefeito disse ainda esperar o dia em que irá comemorar "a vitória plena" contra a doença.

Covas voltará a se ausentar do gabinete na próxima segunda-feira (25), quando se internara para a terceira sessão de quimioterapia que deverá ocorrer entre a terça e quarta-feira.

Durante a coletiva, Covas foi questionado diversas vezes sobre sua candidatura à prefeitura em 2020. Foi questionado também sobre alianças com a deputada federal Joice Hasselman.

Todas as vezes, o prefeito disse que aguardará o ano de 2020 para tomar decisões. Segundo ele, até lá, qualquer projeção sobre o futuro político da cidade seria um trabalho de futurologia.

Um impasse pode se criar em São Paulo, principalmente a partir de abril de 2020. Neste período, caso o prefeito se ausente, qualquer político que assuma seu posto fica impedido de concorrer à eleição.

Estão na linha sucessória de Covas os vereadores Eduardo Tuma (PSDB, presidente da Câmara), Milton Leite (DEM, vice-presidente) e, depois, Rute Costa (PSD, 2ª vice-presidente).

Questionado sobre o impasse, Covas desconversou e disse estar planejando apenas o seu aniversário de 40 anos para o mês de abril.

A coletiva de imprensa foi concedida ao lado do governador de São Paulo, João
Doria (PSDB), que afirmou que o partido não tem um segundo plano para a candidatura à prefeitura da cidade. "Não há plano B. O que existe é plano Covas", falou.

Covas teceu elogios a Doria e disse que a prefeitura está agindo em parceria com o governo do estado em assuntos como a permanência da Fórmula 1 no autódromo de Interlagos, soluções para a região da cracolândia e a despoluição do rio Pinheiros.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: