Saúde e Bem-Estar

Rafael Coelho

ver colunas anteriores
Rafael Coelho,  e-mail: contato@rafaelcoelho.med.br | Instagram: @drrafaelcoelho | Facebook: /rafaelcoelho |
Rafael Coelho, e-mail: [email protected] | Instagram: @drrafaelcoelho | Facebook: /rafaelcoelho |Foto: divulgação

Olá, leitores e internautas que acompanham a coluna Saúde e Bem-Estar

Sexta-feira foi o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade. Nada melhor do que já começar a prevenção à obesidade desde pequeno.

A criança reflete muito daquilo que o adulto consome. Também não vamos ficar com neuras e proibir tudo para os pequenos, Bom senso e equilíbrio são fundamentais. Estudos sugerem que, ao chegar aos 18 anos, um jovem poderá ter passado três anos em frente a uma tela de televisão, um celular ou um tablet. Brincadeiras de crianças estão deixadas de lado e o mundo das “telas” os envolvem. Crianças e adolescentes estão dormindo pouco e mau. Isso deixa a criança cansada e sem disposição para atividades que exigem um metabolismo maior do corpo. É preciso ter uma abordagem mais preventiva da obesidade, depois de instalada é mais difícil reverter o quadro.

Hábitos podem prevenir a obesidade infantil:

- Atividade física diária;

- Brincadeiras em espaços aberto;

- Comer vegetais e frutas diariamente (é preferível comer a própria fruta por causa das fibras);

- Não usar gordura trans;

- Comer mais grãos integrais;

- Reduzir a ingestão de doces e bebidas com açúcar;

- Usar leite desnatado ou semidesnatado;

- Comer mais peixes e carnes magras;

- Reduzir a ingestão de sal;

- Comer mais alimentos de verdade e menos embutidos e processados.

Busque sempre a sua melhor versão. Siga-me nas redes sociais e fique sempre atualizado com informações sobre saúde e bem-estar. Obrigado e até o próximo encontro

Rafael Coelho (CRM: 23943/PE)* é médico. Pautas para Jademilson Silva – Jornalista - DRT: 3468 E-mail: [email protected]

PÍLULAS

Todos contra o sarampo

Começou a campanha nacional de vacinação contra o sarampo de 2019. A vacina trivalente, que ainda protege contra caxumba e rubéola, está disponível nos postos de saúde de todo o Brasil, com foco em dois grupos: crianças de 6 meses a menores de 5 anos e adultos de 20 a 29 anos.

ARTIGO – A PALAVRA DO ESPECIALISTA

Homem também tem que se tocar

Filipe Tenório é urologista e especialista em saúde sexual do homem

Filipe Tenório é urologista e especialista em saúde sexual do homem - Foto: divulgação

O autoexame é um hábito comumente associado às mulheres. Graças a campanhas de conscientização que incentivam o toque na mama, a prática se consolidou como uma forma rápida e fácil de identificar o câncer de mama. Mas, o que muitas pessoas não sabem é que o costume também deve ser adotado pelos homens, já que o ato também pode detectar precocemente o surgimento de nódulos e câncer no testículo.

Ao realizar o autoexame é importante porque através dele o homem pode sentir qualquer alteração no testículo, principalmente os nódulos. A apalpação do testículo pode apontar indícios de algumas outras doenças, como hidrocele e varicocele, mas o objetivo principal é identificar os nódulos. Quando detectado, o paciente deve buscar o diagnóstico preciso com um especialista, que pode indicar câncer ou não.

O autoexame deve ser feito mensalmente porque o tumor de testículo cresce rapidamente. Quando diagnosticado na fase inicial, o tratamento apresenta melhor resposta e as chances de cura aumentam. Durante o durante o exame, o homem deve apalpar cada testículo com ambas as mãos, posicionando-os entre os dedos indicador, polegar e médio. Depois, ele deve fazer movimentos giratórios procurando por áreas endurecidas e nódulos. É importante também que ele encontre o epidídimo (canal que liga os testículos ao pênis, por onde passam os espermatozoides) para que não o confunda com um nódulo. O ideal é que o autoexame seja realizado após o banho, de frente para o espelho.

Segundo o Instituto Nacional de Combate ao Câncer (INCA), mesmo sendo considerada rara, a doença representa 5% dos tipos de tumores que afetam os homens. O tumor atinge principalmente jovens em idade reprodutiva, entre os 15 e 50 anos. Entre os sintomas, alteração no tamanho dos testículos, presença de nódulo ou caroço, sensação de peso, sangue na urina, aumento ou sensibilidade dos mamilos e dores na virilha, na parte inferior do abdômen ou no testículo. O desenvolvimento deste tipo de câncer está associado a lesões, histórico familiar e a criptorquidia (quando os testículos estão posicionados fora da bolsa escrotal).

Filipe Tenório -
urologista e especialista em saúde sexual do homem. @drfilipetenorio

veja também

comentários

comece o dia bem informado: