Saúde e Bem-Estar

Rafael Coelho

ver colunas anteriores
Rafael Coelho,  e-mail: contato@rafaelcoelho.med.br | Instagram: @rafaelcoelhomed | Facebook: /rafaelcoelho |
Rafael Coelho, e-mail: [email protected] | Instagram: @rafaelcoelhomed | Facebook: /rafaelcoelho |Foto: divulgação

Olá, leitores e internautas que acompanham a coluna Saúde e Bem-Estar

Não é conversa chata de médico. Cuidar do lanche de nossas crianças na escola é possível, sim. E pode ser muito divertida essa preparação. Primeiro, vamos pensar em um planejamento semanal. Em cada semana faça um cardápio diferente. Os sucos podem ser refrescantes e cítricos: laranja, acerola, abacaxi e morango, 200 ml da bebida. Durante o período a água é essencial. Chá geladinho feito em casa também é uma boa opção. Coloque uma fruta que seja da escolha da criança, mas, mudando semanalmente: banana, maçã, uvas ou goiaba. Podemos ter uma variação de patês, vamos abusar nas cores da pasta para ficar com um aspecto alegre. Faça os patês em casa com iogurte natural. O sanduíche deve ser com pão integral ou caseiros feitos de aveia. É saciedade, fibra e energia para a criançada. Para variações ao sanduíche você pode optar pela batata-doce, tapioca ou purê de macaxeira. Uma vez na semana você pode criar o dia do bolo com castanhas, passas, açúcar mascavo e farinha integral. O tradicional bolo de cenoura também está liberado. Que tal fazer junto com o filho o bolo no final de semana? Uma boa conversa com a criança é muito importante, fale das condições nutricionais do lanche, deixe-a sugerir o cardápio. O que não for de proveitoso explique o porquê da negativa. O “não” precisa de uma explicação. Embutidos e frituras devem ser excluídos do cardápio. Não se esquecendo de usar uma lancheira térmica para conservar os alimentos. É possível ter uma alimentação saudável e equilibrada na hora do lanche.

Busque sempre a sua melhor versão. Siga-me nas redes sociais e fique sempre atualizado com informações sobre saúde e bem-estar. Obrigado e até o próximo encontro

*Rafael Coelho (CRM: 23943/PE) é médico. Pautas para Jademilson Silva – Jornalista - DRT: 3468. E-mail: [email protected]

Pílulas

Cirurgia do suor

A hiperidrose, que é o suor excessivo em determinadas áreas do corpo, como nas mãos, pés, axilas, dependendo do grau, pode ser sanada com intervenção cirúrgica para retirada das glândulas sudoríparas das axilas ou dos gânglios da cadeia simpática (simpatectomia), por via videoendoscópica. No Recife, a Clínica Especializada em Cirurgia do suor M-Tórax, no Hospital São José, na Boa Vista, realiza esse tipo de cirurgia.

Palavra do Especialista

Você sabe o que é Pectus Excavatum?

Diego Simões é cirurgião torácico

Diego Simões é cirurgião torácico - Foto: divulgação



As deformidades da parede torácica, dentre elas o Pectus Excavatum (quando o paciente possui o esterno projetado para a parte interna do tórax, causando um efeito de “afundamento” do tórax) trazem ao paciente sentimentos muito maiores que os de constrangimento e dificuldade de auto aceitação. São deformidade de intensidade variadas as quais configuram aos seus portadores, comumente, dificuldade na formação de vínculos afetivos, limitações na capacidade física e funcional além de transtornos relacionados à imagem corporal e todos seus danos associados. A ideia de se tratar de algo além da estética é fundamental. Trata-se de um tratamento que ajusta desde a capacidade pulmonar dos pacientes até a melhora da postura e, em casos de atletas de alto rendimento, da performance. Tais ganhos funcionais, muitas vezes, não conseguem chegar na tamanha transformação da vida destes doentes após a correção da deformidade com o ganho e/ou aumento da autoestima, melhora expressiva na formação ou reafirmação das relações afetivas e da autoconfiança que podemos presenciar após todo o processo.


Diego Simões (CRM 22492) é cirurgião torácico. Instragram: @drdiegosimoes

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: