UPA Gregório Bezerra, Olinda
UPA Gregório Bezerra, OlindaFoto: Lidiane/ Folha de Pernambuco

Médicos da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Olinda realizaram protesto na manhã dessa terça-feira (21). A mobilização, que durou cerca de dez minutos, foi para denunciar a ameaça de redução do quadro de profissionais da unidade de saúde, que atualmente conta com 25 médicos e passaria para um total de 18 caso a redução aconteça. O ato foi promovido por médicos plantonistas da unidade de saúde juntamente com o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe).

De acordo com o diretor executivo do Simepe, Fernando Junior, a Fundação Professor Martiniano Fernandes (Imip Hospitalar), responsável pela administração da UPA Olinda, decidiu reduzir o número de médicos e obrigar os médicos de plantão a se ausentarem forçar a transferência de pacientes.

Uma média de 400 pacientes é atendida diariamente na UPA, localizada na Cidade Tabajara, e, segundo os profissionais, com a redução dos médicos, aumentaria o tempo de espera para se obter consulta. “São três profissionais no turno da noite e eles decidiram, de forma arbitrária e unilateral, diminuir para dois depois de mais de dez anos de funcionamento", afirmou o secretário-geral do Simepe,  oncologista pediátrico Tadeu Calheiros.

Leia também:
UPA do Ibura agora conta com atendimento de urgência oftalmológica
Homem dispara tiros em unidade de saúde de Olinda
Unidade de saúde de atenção especializada será inaugurada em Abreu e Lima


“Serão dois médicos para atender uma média de mais de 80 novos pacientes que chegam somente no período da noite, sem contar os pacientes remanescentes do dia, mais cinco salas de leitos da ala vermelha e dez salas de leitos amarelas, que são aqueles que necessitam de maiores cuidados; além das transferências. Com apenas dois médicos, vai trazer um grande prejuízo à população.”, alerta o secretário.

Em nota, a Secretaria de Saúde de Pernambuco informou que a UPA de Olinda é administrada pela Organização Social Imip Hospitalar e que está em negociação para resolver a situação. A SES-PE também ressaltou que há um processo de licitação para um novo contrato de Organização Social para a unidade. Neste contrato, segundo a secretaria, estará previsto o redimensionamento do plantão de clinica médica noturno da unidade, e a expectativa é de que a mudança aconteça até o fim deste primeiro semestre. 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: