Operação Mar Negro, da Polícia Civil de Pernambuco
Operação Mar Negro, da Polícia Civil de PernambucoFoto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco

Uma quadrilha suspeita dos crimes de homicídio, tráfico de drogas, associação para o tráfico de drogas, porte e posse ilegal de arma de fogo e organização criminosa na cidade de Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife (RMR), foi o alvo da Operação Mar Negro, deflagrada pela Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) nesta terça-feira (16).

Foram cumpridos, de acordo com a PCPE, nove dos 12 mandados de prisão e quatro mandados de busca e apreensão domiciliar, todos expedidos pela Vara Criminal da Comarca de Ipojuca. Sendo que quatro deles já estavam presos, três foragidos e a polícia ainda realizou um flagrante durante a operação. No total foram dez presos.

Leia também:
Pernambuco registra queda de homicídios pelo 10º mês consecutivo
Operação desarticula quadrilha suspeita de homicídios e roubos no Sertão

Estão foragidos Tiago Mateus de Lima, mais conhecido como “Tobias”, de 19 anos; e Evanilson José da Silva, o “Bambam”. A polícia oferece recompensa de R$ 1 mil para quem passar informações que ajudem na captura dos dois líderes foragidos. Além deles, também está foragido Wallef Aluino dos Reis Silva, o Tango. Quem tiver informações sobre os procurados (foto abaixo) pode ligar para o Disque Denúncia, no 81 3421-9595 ou 81 9.9946-9259 ou 81 3561-1931.

Tiago Mateus de Lima, o Tobias; Evanilson José da Silva, o Bambam; e Wallef Aluino dos Reis Silva, o Tango são procurados

Tiago Mateus de Lima, o Tobias; Evanilson José da Silva, o Bambam; e Wallef Aluino dos Reis Silva, o Tango são procurados - Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco

Entre as prisões de destaque, a de Gibson José da Silva, o "Gibinho", que, segundo a polícia, seria o gerente da quadrilha comandada por Tobias e Bambam. As investigações da operação apontam para pelo menos dez homicídios sob responsabilidade do grupo.  Os policiais apreenderam armas, munições e rádios transmissores com a quadrilha.

As investigações, presididas pelo delegado da Diretoria Integrada Metropolitana (DIM) Ney Luiz, tiveram início em fevereiro deste ano e contaram com o trabalho de 50 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: