Venezuelanos enfrentam crise de combustíveis e falta de energia
Venezuelanos enfrentam crise de combustíveis e falta de energiaFoto: Juan Barreto / AFP

Em sua primeira viagem ao Brasil, Eduardo Stein, representante especial do Acnur para refugiados e migrantes da Venezuela, afirmou que os países da região precisam se preparar para abrigar os venezuelanos por muito tempo, porque, mesmo depois que a crise no país for resolvida, ainda levará de dois a três anos para que essas pessoas comecem a retornar para suas casas.

"Mesmo após resolvida a crise na Venezuela, essas pessoas só vão retornar quando houver garantias de que acharão empregos e terão segurança, pode levar de dois a três anos para começarem a voltar", disse Stein à reportagem."Precisamos estar preparados para o médio e longo prazo." 

Além disso, muitos podem criar raízes e simplesmente não voltar mais para a Venezuela, afirmou.

Leia também:
Apagão volta a atingir Caracas e outras regiões da Venezuela
Com tropas, aviões militares russos pousam na Venezuela
Bolsonaro diz que Brasil não tem intenção de intervir na Venezuela


Segundo Stein, que é representante conjunto do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur) e da Organização Internacional para as Migrações (OIM), o programa de acolhimento de venezuelanos no Brasil é um exemplo para a região.

De acordo com ele, a federalização dos serviços de atendimento aos refugiados e apoio à população de Roraima, além dos esforços do governo brasileiro para inserir os venezuelanos no mercado de trabalho, são muito bem-sucedidos.

"Os brasileiros desenvolveram um dos mecanismos mais completos e sofisticados de acolhimento de venezuelanos", disse, fazendo a ressalva de que o número de refugiados no Brasil é baixo, na comparação com outros países da região.

Segundo o Acnur, há 3,4 milhões de refugiados venezuelanos no mundo, sendo que apenas 1,4 milhão está em situação regularizada.

A Colômbia é o país com maior número de venezuelanos, 1,1 milhão, seguida de Peru, com 506 mil; Chile, com 288 mil; Equador, com 221 mil; Argentina, com 130 mil, e Brasil, com 96 mil.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: