O estupro aconteceu nesta quinta-feira (20) no Sítio Trindade, em Casa Amarela, Zona Norte do Recife
O estupro aconteceu nesta quinta-feira (20) no Sítio Trindade, em Casa Amarela, Zona Norte do RecifeFoto: Google Street View / Reprodução

A Polícia Civil de Pernambuco investiga mais um caso de violência sexual no Recife. O estupro, praticado por dois homens que estavam acompanhados por outros quatro rapazes, envolve duas estudantes menores de idade. O abuso sexual aconteceu no final da tarde dessa quinta-feira (20) no Sítio Trindade, em Casa Amarela, na Zona Norte. As informações foram confirmadas, no início da noite desta sexta (21), pelo delegado Ademir de Oliveira, gestor do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA).

Leia também
Polícia divulga retrato falado de suspeito por estupro de jovem em Camaragibe
MPF e Safernet identificam mais de 6 mil sites sobre estupro infantil
Indiana de nove anos é cruelmente assassinada após estupro em grupo


“O caso foi registrado na tarde de hoje [desta sexta] no DPCA. Duas alunas que estudam nas imediações do Sítio Trindade teriam sido levadas por alguns indivíduos para o local onde aconteceu o abuso sexual ”, informou o delegado. Ainda segundo o gestor, apenas uma adolescente denunciou o crime e, até a noite desta sexta-feira, nenhuma pessoa tinha sido presa. “Infelizmente não foi possível fazer o flagrante porque o crime só foi registrado no final do dia desta sexta. Os indivíduos ainda não foram presos, mas a polícia trabalha para que eles sejam identificados. Uma equipe, inclusive, saiu para ouvir a segunda estudante”, contou Ademir.

   Crime

As duas estudantes de 15 e 16 anos tinham saído por volta das 16h40 do colégio onde estudam e seguiram em direção ao Sítio Trindade. Elas contaram que passaram, no caminho para o local, pelos rapares, que as assediaram verbalmente. “Quando a gente chegou, foi para a parte de trás do Sítio. Depois de um tempo, os seis homens que tinham se insinuado pra gente no caminho se aproximaram de onde eu e minha amiga estávamos. Foi aí que decidimos sair de lá, mas eles mostraram a faca e forçaram a gente a fingir que eles eram nossos amigos”, relatou uma das vítimas.

Ainda segundo a estudante, eles passaram por alguns guardas municipais, que não perceberam a ação. “Apenas dois foram para um lugar mais deserto do Sítio. Lá, eles praticaram o ato e depois saíram dizendo que iam chamar os outros garotos para acabar o serviço. Foi neste momento que eu e minha amiga fugimos”, contou. A adolescente que registrou o caso foi encaminhada ao Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, onde realizou exame de corpo de delito.

Nesta sexta, uma manifestação reuniu amigos das estudantes violentadas. O protesto teve início em frente ao colégio onde as vítimas estudam, na Estrada do Arraial, e seguiu para a Avenida Norte. Os manifestantes pediam maior reforço policial na região.

   Segurança

 Em nota, a Secretaria de Defesa Social informou que, no bairro de Casa Amarela e em regiões próximas à área, a Polícia Militar realiza rondas a pé e conta também com apoio de viaturas e motocicletas. O trabalho da PM é apoiado e interligado, ainda, à Guarda Municipal, presente no parque.

Confira a nota da SDS na íntegra:

"A Secretaria de Defesa Social informa que a, a partir do reforço de efetivo policial nas ruas, operações de repressão qualificada e aquisição de 700 motocicletas, a criminalidade está recuando em todo o Estado e no Recife, especialmente em Casa Amarela e nos 22 bairros bairros da Zona Norte da capital cobertos pela Área Integrada de Segurança - 5. A redução nessa região é de 37% nos CVLIs, nos primeiros 8 meses de 2018, em comparação com o mesmo período do ano passado. Bairros como Alto do Mandu, Alto Santa Terezinha, Casa Forte, Dois Irmãos, Morro da Conceição, Pau Ferro, Ponto de Parada, Rosarinho e Santana não tiveram nenhum homicídio em todo o ano de 2018. Com relação aos roubos e assaltos, a queda chega a 22% no mesmo comparativo.

Em Casa Amarela e nessa área onde se localiza o Sítio da Trindade, a PM atua preventivamente, realizando rondas a pé, com apoio de viaturas e motocicletas. O trabalho da Polícia Militar apoia e é interligado à Guarda Municipal, presente no parque.

Sobre as denúncias de estupro, o Departamento de Polícia a Criança e do Adolescente (DPCA) está ouvindo, nesta tarde, as adolescentes que relatam terem sido vítimas, na manhã de hoje. Após os depoimentos, elas realizarão exames e perícias no IML. A delegada Thais Galba está conduzindo as investigações e as demais operativas da SDS também estão envolvidas para apurar o caso e chegar aos responsáveis, no menor tempo possível."

veja também

comentários

comece o dia bem informado: