Novas medidas de restrição vão na direção certa, dizem especialistas

No fim de semana, Pernambuco ultrapassou a marca das mil mortes enquanto adesão ao isolamento caiu. Pesquisadores defendem ações para garantir que toda a população fique em casa.

Aguardado desde a semana passada, o anúncio de novas medidas de restrição à circulação de pessoas para reduzir o contágio do coronavírus vai na direção do que a comunidade científica tem defendido nos últimos dias. Enquanto o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) busca traduzir em números a constatação de que mais gente tem descumprido as normas de isolamento, o Estado ultrapassa a marca das mil mortes, com uma taxa de ocupação de 97% dos leitos de UTI.

Especialistas ouvidos pela Folha de Pernambuco defenderam o endurecimento das medidas restritivas bem como políticas de incentivo para que as pessoas permaneçam em casa, especialmente a população mais pobre.

Leia também:
Pernambuco adota medidas mais rígidas para combate ao coronavírus
Isolamento social evitou cerca de 2 mil vítimas no Recife
Fernando de Noronha zera casos de Covid-19
Isolamento social torna avanço do coronavírus mais lento em Pernambuco e outros estados


Segundo os dados mais atualizados do painel do MPPE, referentes ao último domingo, o índice de adesão ao isolamento social retraiu em uma semana, de 52,4% para 49,7%, longe da meta mínima de 70% do Governo do Estado. Com taxas entre 50% e 54,9%, as cinco cidades contempladas pelas medidas - Recife, Olinda, Jaboatão, Camaragibe e São Lourenço da Mata - estão entre as que registram os maiores índices, mas têm um grande adensamento populacional e concentram a maior parte dos casos.

“O Governo deu o passo certo. Mas eu diria que isso depende 30% dele, o restante depende da gente. Se um vai embora, contamina o resto. Você não sair à rua hoje é mais importante que todas as contas que eu faço”, enfatiza o pesquisador de epidemiologia computacional Jones Albuquerque, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

De acordo com ele, sem o isolamento social, o número de mortes estaria em torno de 3 mil, quase o triplo do registrado atualmente. “Até ter vacina, a vida vai ter restrições”, observa o pesquisador, que cita o caso de Fernando de Noronha, onde os casos de Covid-19 foram zerados. “Em abril, Noronha bloqueou tudo, os dados se estabilizam e agora está tudo voltando”, lembra.

No continente, onde o emaranhado de cidades dificulta a fiscalização das aglomerações, o desafio é garantir a proteção nas áreas de periferia e garantir que as pessoas não precisem sair de casa. “Por isso, ações de governo, distribuição de cestas básicas e auxílio têm que ter”, diz Jones Albuquerque.

Membro da Rede Solidária em Defesa da Vida, grupo de pesquisadores que propõem ações de combate à pandemia, a médica sanitarista e professora Tereza Lira ressalta que as ações devem ser executadas conforme a realidade social de cada área, incluindo o uso de espaços comunitários e o reforço na atenção primária de saúde.

“Utilizar equipamentos já existentes, como escolas públicas e centros de treinamento de clube de futebol, para isolar os casos leves e moderados e, assim, tirar essas pessoas dos ambientes de alta densidade habitacional”, sugere. “Claro que precisaria de uma logística, em que os casos seriam acompanhados por um corpo de enfermagem e pelo profissional de Saúde da Família, mas seria uma forma de dar efetividade ao isolamento”.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip
Realeza

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip

Brasil registra 2.616 óbitos por Covid-19 em 24h e total de mortes já ultrapassa 350 mil
Coronavírus

Brasil registra 2.616 óbitos por Covid-19 em 24h e total de mortes já ultrapassa 350 mil