Guerra na Ucrânia

Novo carregamento de armas americanas chega à fronteira ucraniana

De acordo com um funcionário do Pentágono, quatro voos chegaram à região com diversos equipamentos

Estados Unidos enviam mais armas à Ucrânia Estados Unidos enviam mais armas à Ucrânia  - Foto: ANATOLII STEPANOV / AFP

Os novos envios de armas dos Estados Unidos começaram a chegar às fronteiras da Ucrânia para serem entregues ao exército deste país, assinalou nesta segunda-feira (18) um alto funcionário do Pentágono.

"Quatro voos chegaram dos Estados Unidos ontem à região, com diversos equipamentos", anunciou o funcionário, que pediu anonimato.

Um quinto voo deve chegar nas próximas 24 horas, "o que fará cinco voos em igual número de dias" desde que o presidente Joe Biden anunciou nessa quarta-feira (13) uma nova ajuda militar por 800 milhões de dólares para a Ucrânia, ressaltou.

Apesar de a operação do equipamento não ser muito distinta do que o exército ucraniano já está acostumado, esses canhões utilizam projéteis de 155 mm, os mesmos utilizados pelos países da Otan, enquanto a Ucrânia apenas dispunha de projéteis de 152 mm, fabricados pela Rússia.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, declarou que o primeiro envio chegou 48 horas depois de Biden autorizar a ajuda, uma "velocidade sem precedentes".

Kirby também afirmou que os militares americanos mobilizados no front oriental da Otan desde o início da invasão russa começarão, "nos próximos dias", a formar militares ucranianos na operação de canhões M777 Howitzer, as peças de artilharia de última geração que os Estados Unidos entregaram pela primeira vez ao exército ucraniano.

No entanto, o treinamento será feito fora da Ucrânia, explicou Kirby. "Um pequeno número de ucranianos será treinado no uso dos Howitzers, e logo voltarão a seu país para treinar os colegas".

Por sua vez, as forças russas começam a sentir o efeito das sanções em seu fornecimento de armas, em particular os mísseis guiados, segundo o alto funcionário do Departamento de Defesa americano.

As sanções "tiveram efeito sobre a capacidade de [o presidente russo, Vladimir] Putin para reabastecer e reequipar, em particular no que diz respeito aos componentes de seus sistemas e mísseis teleguiados com precisão", afirmou.

Por outro lado, "sabemos que [os russos] se esforçam para se reequipar com sua própria indústria de defesa e se preguntam em qual velocidade e em qual grau podem acelerar a produção de armamentos", acrescentou. "As sanções têm efeito sobre suas capacidades para fazer isso."

As armas mais modernas usam chips eletrônicos cujos principais produtores são Taiwan e Coreia do Sul, dois aliados dos Estados Unidos que deixaram de exportar esses produtos à Rússia, em linha com as sanções decretadas contra Moscou pela invasão da Ucrânia.

Veja também

O Agente Secreto: novas gravações interditam parte da rua da Aurora neste domingo (21)
RECIFE

O Agente Secreto: novas gravações interditam parte da rua da Aurora neste domingo (21)

Venezuela: a sete dias da eleição, pesquisas divergem sobre resultado
venezuela

Venezuela: a sete dias da eleição, pesquisas divergem sobre resultado

Newsletter