A-A+

Novo coronavírus mata mais que o sarampo, mas menos que o ebola

A taxa de letalidade mostra apenas parte do problema, mas é importante do ponto de vista médico –e individual, já que é do interesse do paciente saber o risco ao qual ele está submetido

Uso de máscaras em estação de metrô no JapãoUso de máscaras em estação de metrô no Japão - Foto: CHARLY TRIBALLEAU / AFP

A taxa de letalidade do novo coronavírus, ou seja, a quantidade de pessoas mortas em relação ao total de diagnosticadas, é de 3,4%. É uma cifra maior que a do sarampo -2,2%-, e bem menor que a do ebola -51%. Em números absolutos, são 2.800 mortes no mundo e quase 83 mil casos tabulados até a noite desta quinta-feira (27).

A taxa de letalidade mostra apenas parte do problema, mas é importante do ponto de vista médico –e individual, já que é do interesse do paciente saber o risco ao qual ele está submetido. A gripe, por exemplo, tem uma taxa de letalidade bem mais baixa, de 0,1%, mas é preciso considerar que o número de infectados é muito maior, de dezenas de milhões de indivíduos. Em 2009, quando se propagou a chamada gripe suína, estima-se que 200 mil pessoas tenham morrido.

Leia também:
Procon constata aumento de preços nas farmácias por causa do coronavírus
Disseminação de fake news sobre coronavírus preocupa especialistas
Casos de suspeita de coronavírus no Brasil sobem para 132


Assim como nos casos da gripe e da Sars (também causada por um coronavírus), o novo coronavírus costuma vitimar pessoas que tenham moléstias como diabetes (quem tem a doença tem 8,1 vezes o risco de morrer em relação a uma pessoa sem problemas crônicos de saúde), hipertensão (6,7), doenças cardiovasculares (11,7) e doenças respiratórias crônicas (7,0).

Além disso, quanto mais velha a pessoa, maior o risco: aquelas com 80 anos ou mais infectadas pelo novo coronavírus têm 6,4 vezes a probabilidade do resto da população de morrer.

Veja também

Comissão aprova texto-base da PEC dos precatórios, que dribla o teto de gastos
PRECATÓRIOS

Comissão aprova texto-base da PEC dos precatórios, que dribla o teto de gastos

Butantan mostra a dinâmica de introdução do novo coronavírus no Brasil
Coronavírus

Butantan mostra a dinâmica de introdução do novo coronavírus no Brasil