Novo número 2 da Saúde defende ações específicas por região contra Covid

General Eduardo Pazuello ainda elogiou o trabalho da equipe anterior da pasta

General Eduardo PazuelloGeneral Eduardo Pazuello - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Em suas primeira declarações como novo secretário-executivo do Ministério da Saúde, o general Eduardo Pazuello defendeu a aplicação de medidas isoladas e específicas para cada região do país no enfrentamento ao novo coronavírus como forma de manter o país "funcionando, trabalhando e produzindo".

Pazuello participou pela primeira vez da entrevista coletiva da pasta para divulgar as ações de enfrentamento à pandemia ao lado do ministro Nelson Teich e do secretário de vigilância em saúde da pasta, Wanderson Oliveira.

Leia também:

Brasil registra 338 novas mortes por coronavírus nas últimas 24h

Só 15% dos médicos brasileiros se dizem capazes de lidar com coronavírus, aponta pesquisa 

O novo número 2 da Saúde elogiou o planejamento elaborado anteriormente para o combate à Covid-19 e disse que seu trabalho seria "mais fácil" do que foi para quem iniciou os trabalhos. O militar também usou a palavra "excepcional" para descrever a atuação do Ministério da Saúde.

No entanto, disse que chegou o momento de fazer ajustes para implantar a "não linearidade", com recomendações específicas para cada região do país.

A gestão anterior no Ministério da Saúde, sob o comando do ministro Luiz Henrique Mandetta, defendia o isolamento ampliado como forma de não sobrecarregar o sistema de saúde.

"O primeiro ajuste é que o planejamento; precisamos ajustar a não linearidade para cada região, para cada estado, para cada município. Cada um tem as suas diferenças, cada um tem os seus resultados", afirmou.

O discurso vai na linha das falas do ministro Tech em entrevistas a jornalistas na semana passada.

Ao justificar estratégias específicas para cada região, Pazuello disse que a política de distanciamento social não teve a mesma eficácia nas localidades em que foi implantada.

"Tem alguns lugares em que o isolamento dá resultados, em outros lugares o isolamento não deu tanto resultado. Em alguns lugares o vírus chegou, em outros ele não chegou", afirmou o secretário-executivo.

"Não podemos falar de Brasil com a simplicidade que eu tenho visto em várias matérias [jornalísticas], digamos assim. O Brasil não é só o Brasil. É um continente", completou.

Com uma estratégia mais localizada, Pazuello afirmou que será possível combater o coronavírus de uma forma mais eficiente e também manter a economia do Brasil ativa.

"Precisamos centrar esforços onde o problema é maior. Recolher meios e empregar onde o problema é maior. Quando o problema migrar para outro lugar, recolhe-se os meios e vai para outros lugares", disse. "E assim nós mantemos o país funcionando, trabalhando e produzindo", completou. 

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Pernambuco investe na construção de três novos parques no Interior
Sustentabilidade

Pernambuco investe na construção de três novos parques no Interior

Camaragibe abre agendamento para vacinação contra Influenza
Saúde

Camaragibe abre agendamento para vacinação contra gripe