O governo está confuso e a oposição também

O governo está indefinido e a oposição parecendo fraca, embora não esteja

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

Em fevereiro de 2014, a Frente Popular de Pernambuco anunciou sua chapa majoritária às eleições daquele ano: Paulo Câmara (governador), Raul Henry (vice) e Fernando Bezerra Coelho (senador). Á época o PSB tinha um líder, Eduardo Campos, que sabia impor sua liderança, avançando quando preciso e recuando quando necessário. Já estamos no mês de junho e ainda não se conhece a composição da chapa do governador Paulo Câmara, nem tampouco a do senador Armando Monteiro. E aqui não cabe a máxima de Marco Maciel segundo a qual “quem tem prazo não tem pressa” porque o problema não é de prazo e nem tão pouco de velocidade. O problema é de indefinição. Há dúvidas no governo e na oposição sobre o nome do candidato a vice e do segundo candidato a senador. Paulo Câmara só escolheu até agora um senador (Jarbas Vasconcelos) e o virtual candidato do PTB, Armando Monteiro, idem (o deputado Mendonça Filho). Isso mostra que o governo está confuso e a oposição (Marília Arraes à parte) mergulhada em dúvida. Convém lembrar que na política há o tempo certo para se fazer a coisa certa. Nem tão rápido que pareça açodamento, nem tão devagar que pareça fraqueza ou indefinição. O governo está indefinido e a oposição parecendo fraca, embora não esteja, conforme pesquisas de opinião.

Senador solteiro

Por querer ser a todo custo “o senador de Lula”, o deputado Sílvio Costa está praticamente excluído da chapa das oposições. O senador Armando Monteiro (PTB) está à procura de outro nome para fazer companhia a Mendonça Filho (DEM). Sílvio Costa faz campanha sozinho pelo Agreste pedindo votos apenas para ele. Não cita o nome de Armando, nem o de Marília Arraes.

Constrangimento > A assessoria de Paulo Câmara precisa ter mais cuidado quando for marcar os compromissos dele no interior para não expô-lo a situações de constrangimento como a que ocorreu anteontem em Angelim. Levaram-no para inaugurar um calçamento de rua, onde havia menos de 30 de pessoas.

Renovação > O novo líder do PT de Pernambuco é a vereadora Marília Arraes e não o senador Humberto Costa. Ela pode até não ter o controle da burocracia do partido, mas é quem tem os votos. Mas isso deve ser encarado com naturalidade, pois o senador manda na sigla há 30 anos.

O vice > Cresceu ontem na bolsa de apostas do PSDB o nome do vereador recifense André Régis para ser o vice de Armando Monteiro (PTB). O ex-prefeito Elias Gomes (Jaboatão dos Guararapes) também começou a ser mexer, e tem uma forte torcida no partido.

O decreto > Esta afirmação da senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, parece ser a definitiva: não haverá aliança do PT com o PSB apenas em Pernambuco. Ou se faz a aliança no plano nacional, valendo para os 27 estados, ou não tem aliança.

A força > Parlamentares da Frente Popular comentavam ontem na Alepe a forte influência que ex-secretário da Casa Civil, Antonio Figueira, exerce no governo Paulo Câmara. Ele foi deslocado para a chefia da Assessoria Especial, mas nem por isso deixou de ter força.

Veja também

Pernambuco segue com campanha de vacinação contra Covid-19 com profissionais de saúde
Vacina em Pernambuco

Pernambuco segue com campanha de vacinação contra Covid-19 com profissionais de saúde

Governo autoriza ampliação de vagas do Mais Médicos em Manaus diante de crise na saúde
Mais médicos

Governo autoriza ampliação de vagas do Mais Médicos em Manaus diante de crise na saúde