O mundo está dividido sobre o uso da hidroxicloroquina

Publicado em 22 de maio na revista científica "The Lancet", o estudo conclui que a hidroxicloroquina não é eficaz contra a Covid-19 e aumenta o risco de morte e de arritmia cardíaca

HidroxicloroquinaHidroxicloroquina - Foto: Divulgação/MS

Banida em alguns países, incentivada em outros. O mundo está cada vez mais dividido sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus, desde a publicação de um polêmico estudo que considera a molécula ineficaz e até prejudicial.

Publicado em 22 de maio na revista científica "The Lancet", o estudo conclui que a hidroxicloroquina (HCQ), um derivado da cloroquina usado no tratamento da malária, não é eficaz contra a Covid-19 e aumenta o risco de morte e de arritmia cardíaca.

A metodologia do estudo foi questionada por parte da comunidade científica. Métodos de estudos anteriores destacando sua eficácia também foram criticados.

Leia também:
EUA enviou 2 milhões de doses de hidroxicloroquina ao Brasil, diz Casa Branca
Sociedade de Pediatria desaconselha cloroquina em crianças e adolescentes com Covid-19
OMS desiste de testar cloroquina em tratamento de Covid-19


- Banida em alguns países -
O estudo levou muitos países a suspenderem o uso da molécula. Na França, onde o controverso professor Didier Raoult é um dos principais promotores da hidroxicloroquina, foi revogada em 27 de maio a permissão dada aos hospitais, no final de março, para fornecer esse tratamento a pacientes gravemente enfermos.

Outros países, como Itália, Egito, Tunísia, Colômbia, Chile, ou El Salvador, também suspenderam o uso da molécula em pacientes com Covid-19.

Várias nações já haviam parado de fornecer HCQ a pacientes antes da publicação do estudo. A Suécia, que a utilizou para tratar formas graves da doença, parou de usá-la em abril, depois que a Agência Europeia de Medicamentos aconselhou administrá-la apenas em ensaios clínicos.

O governo alemão também considera que "os estudos atuais não permitem o tratamento de rotina de pacientes da COVID-19 com cloroquina, ou com hidroxicloroquina, exceto em ensaios clínicos".

- Promovida em outros -
Outros países elogiam a eficácia da molécula e não querem parar de administrá-la. É o caso de Brasil, Argélia, Marrocos, Turquia, Tailândia, Portugal, Quênia, Senegal, entre outros.

"Tratamos milhares de casos com este medicamento com grande sucesso até agora. E não notamos efeitos indesejáveis", disse à AFP o dr. Mohamed Bekkat, membro do comitê científico responsável pela evolução da pandemia na Argélia.

Segundo ele, o estudo publicado na The Lancet "é confuso", pois "parece afetar casos graves para os quais a hidroxicloroquina é inútil", enquanto a molécula "é eficaz quando usada precocemente".

Índia e Venezuela continuam a usar HCQ preventivamente. As autoridades de saúde indianas garantem que não detectaram "nenhum efeito colateral importante". Cuba continua a usar a molécula, mas planeja revisar seus protocolos para introduzir novas precauções.

Nos Estados Unidos, a hidroxicloroquina pode, em princípio, ser administrada apenas a pacientes com Covid-19 hospitalizados, mas a Food and Drug Administration (FDA, agência responsável pela áreas de alimentos e remédios) alerta desde abril sobre riscos de arritmia cardíaca.

Defensor fervoroso da molécula, o presidente Donald Trump garantiu que a tomava diariamente como medida preventiva. Após a publicação do estudo na "The Lancet", porém, disse que parou de usá-la.

No domingo (31), a Casa Branca anunciou o envio para o Brasil de dois milhões de doses de hidroxicloroquina para combater o coronavírus.

- Ensaios clínicos suspensos -

O artigo da "Lancet" levou à suspensão de vários ensaios clínicos, começando com a divisão da hidroxicloroquina dos programas Solidarity (OMS) e Discovery (Europa), que deixaram de incluir novos pacientes.

O estudo internacional Copcov, que fornecia doses de HCQ para profissionais de saúde em contato com o coronavírus, dois estudos conduzidos na clínica universitária de Tübingen, na Alemanha, e cinco estudos na Dinamarca também foram interrompidos.

- E outros mantidos -

Outros estudos continuam, porém, como o Recovery (Reino Unido). Com base em seus próprios dados de mortalidade, seus responsáveis acreditam em que "não há motivo convincente para suspender o recrutamento por motivos de segurança".

Outros testes realizados no Canadá, na Nigéria, ou no México, também estão mantidos. "Existem dados para provar que a hidroxicloroquina funcionou em vários pacientes. Então, vamos continuar", disse a professora Mojisola Adeyeye, que chefia a agência nigeriana de medicamentos.

Na China, berço da pandemia, a substância é usada apenas em ensaios clínicos. Sua eficácia, que a Universidade de Wuhan considerou inicialmente promissora, foi questionada em um hospital de prestígio em Xangai.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Fiocruz entrega 2,2 milhões de doses de vacinas ao PNI
IMUNIZANTE

Fiocruz entrega 2,2 milhões de doses de vacinas ao PNI

Biden afirma que novas restrições serão impostas nos EUA em função da Covid-19
VARIANTE DELTA

Biden afirma que novas restrições serão impostas nos EUA em função da Covid-19