O novo perfil dos idosos no Brasil

Em sete décadas, a média de vida do brasileiro passou de 45,4 anos em 1940, para 75,4 anos, em 2015

Elisabete Soares, de 62 anos, que faz academia desde 2007 e participa de um grupo de corridas ao lado de seu marido, Fernando Soares, de 64 anos.Elisabete Soares, de 62 anos, que faz academia desde 2007 e participa de um grupo de corridas ao lado de seu marido, Fernando Soares, de 64 anos. - Foto: Jose Britto/Folha de Pernambuco

O dia 1º de outubro é reservado para as comemorações do Dia Internacional do Idoso. No Brasil, a data também relembra a implementação do estatuto do idoso, que garante direitos e maior proteção, liberdade e respeito. E de lá para cá, o perfil das pessoas nesta faixa de idade passou a ser mais ativo e saudável, devido à preocupação com a saúde desde cedo e o envelhecimento bem sucedido.

"O estigma de que o idoso perde a sua independência e de que não é mais capaz de emitir opiniões ou tomar decisões faz parte do passado”, comenta a geriatra do Hospital Jayme da Fonte, Andrea Figueiredo. De acordo com o Ministério da Saúde, os idosos representam 14,3% dos brasileiros, ou seja, 29,3 milhões de pessoas. E, em 2030, o número deve superar o de crianças e adolescentes de 0 A 14 anos. Em sete décadas, a média de vida do brasileiro aumentou 30 anos, saindo de 45,4 anos, em 1940, para 75,4 anos, em 2015.

Leia também:
O surgimento e os desafios da quarta idade
Voluntariado leva apoio a idosos no Recife

Um dos motivos que auxiliaram o aumento desses números é a preocupação com a alimentação e também com o físico. Praticar exercícios físicos com acompanhamento de um profissional é uma ótima maneira de manter o corpo ativo, além de prevenir doenças. De acordo com pesquisas anteriores promovidas pelo Ministério da Saúde, 25,1% dos idosos têm diabetes, 18,7% são obesos, 57,1% têm hipertensão e 66,8% têm excesso de peso. Também são responsáveis por mais de 70% das mortes do País.

“É importante manter hábitos saudáveis desde cedo. A gente acha que é só quando envelhece, mas tem que comer bem e fazer atividades físicas antes mesmo dos 60 anos”, explica Andrea.

Muito além da caminhada, o pilates e exercícios de musculação podem ser alternativas de fortalecimento do corpo, desde que sejam orientados por um profissional. “Indico para várias pessoas próximas, incluindo quem está nesta faixa de idade. Eu tive sérios problemas na coluna e o exercício me ajudou a melhorar”, explica a professora Elisabete Soares, de 62 anos, que faz academia desde 2007 e participa de um grupo de corridas ao lado de seu marido, Fernando Soares, de 64 anos.

Porém, não é só o corpo que merece cuidados. manter uma vida ativa mentalmente é essencial. Fugindo das tradicionais “palavras cruzadas”, o fortalecimento das relações sociais é um dos caminhos para evitar o isolamento, e consequentemente estar mais distante de doenças como depressão e a demência. “Já sou aposentado pelo INSS, mas mantenho minhas atividades. É muito importante para exercitar a mente, além de sempre ajudar a me atualizar”, comenta Fernando. Além disso, ter entrado na academia e no grupo de corrida ajudou também a criar novos vínculos e novas amizades para o casal.

Atividades na RMR

Na Capital, a Universidade Católica de Pernambuco receberá o Fórum e Feira de Cuidados à Pessoa Idosa, com apoio e participação da Prefeitura do Recife. Serão realizadas palestras, oficinas gratuitas e serviços de corte de cabelo, limpeza de pele e mamógrafo para mulheres de 50 a 69 anos das 8h às 13h.Já em Olinda, a Secretaria de Saúde promove o seminário de trabalhabilidade e terceira idade. O tema do encontro será "Mercado de Trabalho e Carreira para Pessoas na Terceira Idade". O evento será realizado às 9h, na Uninassau Olinda, piso L4 do Shopping Patteo, em Casa Caiada.

Veja também

Mais de um milhão de mortes por Covid-19 registradas no mundo, aponta agência
Covid-19

Chega a mais de 1 milhão o número de pessoas mortas por Covid-19, diz agência

Covid-19: Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS

Brasil confirma 14.318 casos e 335 mortes em 24 horas