O objetivo do Instituto seria “vitimizar” Lula

O juiz Sérgio Moro é encarado como “salvador da pátria” nesse contexto de crise em que o país se acha

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

Por meio dos seus advogados, o Instituto Lula não deixa sem resposta nenhum tipo de acusação ao ex-presidente, mesmo que haja suspeita da participação dele nos negócios pouco éticos da Odebrecht. Se o propósito dos procuradores da Lava Jato é incriminar de todo jeito o líder petista, ainda que não haja provas robustas contra ele, mas apenas “indícios”, o do Instituto Lula é tentar desqualificar as acusações, questionar a imparcialidade do Ministério Público Federal e “demonizar” o juiz Sérgio Moro, que deverá julgá-lo neste processo. Até agora, no entanto, o petista está em desvantagem em relação aos procuradores e ao próprio magistrado. Ainda que não estejam se comportando com a discrição que o cargo requer, os procuradores desfrutam de grande credibilidade perante a opinião pública e o juiz Sérgio Moro é encarado como uma espécie de “salvador da pátria” nesse contexto de crise ética e moral em que o país se acha.

O modelo de Marconi Perillo
O prefeito eleito de Jaboatão, Anderson Ferreira (PR), decidiu manter a mesma estrutura administrativa que herdará do prefeito Elias Gomes (PSDB), com alguns reparos. Vai recriar as Secretarias de Saúde e Educação, que o atual prefeito fundiu com outras pastas. E reduzir de 33 para 24 o número pastas executivas. Esse modelo foi copiado do governador Marconi Perillo (GO), que é tucano.

Posse > Houve queima de fogos, ontem, em Belo Jardim, após o ministro Gilmar Mendes (TSE) atribuir efeito suspensivo a um recurso interposto pelo prefeito reeleito, João Mendonça (PSB), contra decisão do TRE-PE que indeferiu o registro de sua candidatura. Com isso, o prefeito poderá tomar posse dia 1º.

Trio > A partir de fevereiro, a Assembleia Legislativa será reforçada por um trio de mulheres de garra e vocacionadas para a política: Terezinha Nunes (PSDB), Laura Gomes (PSB) e Roberta Arraes (PSB).

Redução > Ao reduzir de 24 para 15 o número de secretarias no Recife, o prefeito Geraldo Júlio (PSB) quis deixá-la do mesmo tamanho das Prefeituras de Salvador e Curitiba, mas está muito longe disto.

Presidenta > A deputada Luciana Santos (PCdoB) assina o cartão de boas festas que está enviando aos seus eleitores como “presidentA” (à moda Dilma) nacional do Partido Comunista do Brasil.

Exceção > Dos prefeitos eleitos pelo PMDB que tiveram apoio do PTB, dois já se reuniram com o senador Armando Monteiro: Clebel Cordeiro (Salgueiro) e Altair Júnior (Palmares). Osvaldo Rabelo Filho (PMDB), de Goiana, também teve apoio do senador, mas se mantém distante dos petebistas.

Escola > Miguel Coelho (PSB), prefeito eleito de Petrolina, que tem apenas 26 anos, reconhece que a passagem pela Assembleia Legislativa nos últimos dois anos fez com que amadurecesse, politicamente. Aliás, o Poder Legislativo é uma grande escola para os interessados em fazer carreira política.

Altos e baixos > Raquel Lyra (PSDB), prefeita eleita de Caruaru, já teve sua 1ª reunião de trabalho com os 23 futuros vereadores, com os quais pretende manter uma relação republicana. A Câmara Municipal foi do céu ao inferno em pouco tempo. Na gestão do presidente Rogério Menezes (PT) foi destaque nacional por ter devolvido R$ 1 milhão ao Poder Executivo e na do presidente Leonardo Chaves (PDT) por ter sido alvo da “Operação Ponto Final”.

 

Veja também

Corpos de vítimas de acidente com ônibus só devem chegar ao Pará nesta quarta
Tragédia

Corpos de vítimas de acidente com ônibus só devem chegar ao Pará nesta quarta

Mundo ultrapassa a marca de 100 milhões de casos por Covid-19
Coronavírus

Mundo ultrapassa a marca de 100 milhões de casos por Covid-19