Opinião

O que a série Succession ensina sobre sucessão em empresas familiares?

A série Succession, da HBO, foi um fenômeno de crítica e de audiência. Ela lidera a disputa pelo Emmy 2023, principal premiação da televisão americana. Além de entretenimento, a produção chama a atenção para algo crucial em empresas familiares: a importância de planejar a sucessão de liderança.

No Brasil, as empresas de perfil familiar são responsáveis por mais da metade do PIB e empregam 75% da mão de obra, como apontam os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além disso, a 10ª Pesquisa Global sobre Empresas Familiares da PwC constatou que somente 24% dessas companhias se preparam para a sucessão, uma etapa fundamental para garantir a longevidade empresarial.

O que isso tem a ver com este sucesso de crítica e audiência? Na trama, um grande empresário enfrenta problemas graves de saúde e vê os quatros filhos iniciando uma guerra pela sucessão. Apesar de fictício, o que acontece nas telas pode se tornar real quando uma empresa familiar não se prepara para a transição de liderança. Essa transferência é um evento importante e os donos precisam estar confiantes de que os futuros líderes entendem os desafios e possuem as habilidades para proteger e expandir o negócio

Hoje, 67% das novas gerações reconhecem a existência desse plano de transição na família, mas a geração atual ainda se mantém firme no controle: mais de um terço das novas gerações resiste à mudança na empresa. Um contrato geracional honesto, que comunique as expectativas de ambos os lados, inspira confiança. É necessário compreender o papel de cada um nesse processo: sucedido e sucessor, baseado sempre no respeito mútuo e na boa comunicação entre as gerações.

A liderança requer, hoje, um conjunto diferente de competências. A nova geração precisa se questionar se deseja se criar à imagem da geração anterior ou se apresentar com novas propostas, que sigam os valores familiares previamente estabelecidos. Este último parece ser o caminho natural, conforme aponta a Pesquisa Global de Empresas Familiares da PwC - repensando prioridades, comportamentos e redefinindo o conceito de legado.

Por fim, é importante tratar a questão emocional da dinâmica familiar, evitando disputas internas e levando a resultados perenes e robustos. Caso contrário, a gestão do negócio pode enfrentar problemas como: ausência de comunicação, de alinhamento e de planejamento estratégico. Um ponto que pode ajudar a prevenir o surgimento desses problemas é a promoção de um sentido de pertencimento entre as gerações, através de definições de papéis, envolvimento em pautas estratégicas e encontros de família.

Quanto mais cedo um planejamento sucessório, independentemente do tamanho do negócio e de suas complexidades, mais propensa a empresa familiar estará para enfrentar as adversidades e situações inesperadas, mantendo seu legado de forma próspera.



*Sócia da PwC Brasil


- Os artigos publicados nesta seção não refletem necessariamente a opinião do jornal. Os textos para este espaço devem ser enviados para o e-mail [email protected] e passam por uma curadoria para possível publicação.

Veja também

Governo Milei proíbe linguagem inclusiva nas Forças Armadas argentinas
Argentina

Governo Milei proíbe linguagem inclusiva nas Forças Armadas argentinas

Pentágono atribui sigilo sobre câncer de Austin a aspectos de protocolo
Pentágono

Pentágono atribui sigilo sobre câncer de Austin a aspectos de protocolo